Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

14 Janeiro de 2018 | 14h21 - Actualizado em 14 Janeiro de 2018 | 14h21

Tunísia celebra sétimo aniversário de uma revolução inacabada

Túnis - Sete anos após a revolução contra a ditadura e a corrupção, a Tunísia enfrenta protestos sociais marcados pelos mesmos lemas de "trabalho, liberdade, dignidade", com inúmeros cidadãos desesperados para conseguir melhorar suas condições de vida.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Tunísia: Protestos continuam

Foto: MOHAMED KHALIL

"Faz sete anos que esperamos, sem nenhuma mudança. Tivemos a liberdade, é verdade, mas estamos mais famintos que antes", lamentou Walid, desempregado de 38 anos em Teburba, na véspera da comemoração do aniversário da revolta, neste domingo, conta  Caroline Nelly Perrot, da AFP.

A cidade de Teburba, perto de Túnis, foi o cenário de várias noites de confrontos entre jovens manifestantes e as forças de segurança nesta semana, assim como outras cidades, onde pelo menos 800 pessoas foram detidas.

Esse movimento de protesto surgiu após a adopção de um orçamento para 2018 que aumenta os impostos e cria taxas que encolhem o poder aquisitivo, já debilitado por uma grande inflação.

Para a cientista política tunisina Olfa Lamlum, "essas mobilizações sociais revelam a ira, conduzida pelos mesmos que se mobilizaram em 2011 e não conseguiram nada de direitos económicos e sociais".

 O governo tunisino convocou sábado uma reunião ministerial para debater a situação.

 Para Essebsi, a imprensa estrangeira "amplificou" os distúrbios.

A revolução, ponto de partida da Primavera Árabe, começou em 17 de Dezembro de 2010, em Sidi Buzid, cidade do interior, quando o vendedor ambulante Mohamed Buazizi ateou fogo em si mesmo.

Um movimento de protesto contra o desemprego e o custo de vida veio em seguida, marcado por confrontos violentos que se espalharam por todo o país.

Sob pressão popular, o presidente Zine El Abidine Ben Ali, no poder há 23 anos, fugiu para a Arábia Saudita em 14 de Janeiro de 2011.

 Apesar de a Tunísia, o único país que sobreviveu à Primavera Árabe, ter conseguido avançar na sua transição democrática, ela continua presa a um marasmo económico e social.

Assuntos Tunísia  

Leia também
  • 12/01/2018 19:08:02

    Tunísia: Calma regressa ao país após vários dias de manifestações

    Túnis - A calma regressou em todo território tunisino, após vários dias de manifestações populares, em protesto as medidas de austeridade adoptadas pelo governo, assegurou esta sexta-feira, o porta-voz do ministério do Interior, Khalifa Chibani, citado pela Prensa Latina.

  • 12/01/2018 17:02:20

    Tunísia: Aumenta número de manifestantes detidos desde início dos protestos

    Túnis - Pelo menos 778 pessoas foram detidas na Tunísia, desde segunda-feira, quando começaram os protestos contra as medidas de austeridade, indicou nesta sexta-feira, um porta-voz do ministério do Interior, Khalifa Chibani, citado pela AFP.

  • 11/01/2018 13:05:50

    Tunísia: Mais de 300 detenções na terceira noite de protestos

    Túnis - Mais de 300 pessoas foram detidas na Tunísia nas últimas 24 horas, onde os confrontos entre manifestantes e agentes da polícia tiveram lugar pela terceira noite consecutiva, anunciaram quinta-feira as autoridades, elevando para mais de 300 o número detenções em dois dias.