Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

14 Janeiro de 2018 | 14h21 - Actualizado em 14 Janeiro de 2018 | 14h21

Tunísia celebra sétimo aniversário de uma revolução inacabada

Túnis - Sete anos após a revolução contra a ditadura e a corrupção, a Tunísia enfrenta protestos sociais marcados pelos mesmos lemas de "trabalho, liberdade, dignidade", com inúmeros cidadãos desesperados para conseguir melhorar suas condições de vida.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Tunísia: Protestos continuam

Foto: MOHAMED KHALIL

"Faz sete anos que esperamos, sem nenhuma mudança. Tivemos a liberdade, é verdade, mas estamos mais famintos que antes", lamentou Walid, desempregado de 38 anos em Teburba, na véspera da comemoração do aniversário da revolta, neste domingo, conta  Caroline Nelly Perrot, da AFP.

A cidade de Teburba, perto de Túnis, foi o cenário de várias noites de confrontos entre jovens manifestantes e as forças de segurança nesta semana, assim como outras cidades, onde pelo menos 800 pessoas foram detidas.

Esse movimento de protesto surgiu após a adopção de um orçamento para 2018 que aumenta os impostos e cria taxas que encolhem o poder aquisitivo, já debilitado por uma grande inflação.

Para a cientista política tunisina Olfa Lamlum, "essas mobilizações sociais revelam a ira, conduzida pelos mesmos que se mobilizaram em 2011 e não conseguiram nada de direitos económicos e sociais".

 O governo tunisino convocou sábado uma reunião ministerial para debater a situação.

 Para Essebsi, a imprensa estrangeira "amplificou" os distúrbios.

A revolução, ponto de partida da Primavera Árabe, começou em 17 de Dezembro de 2010, em Sidi Buzid, cidade do interior, quando o vendedor ambulante Mohamed Buazizi ateou fogo em si mesmo.

Um movimento de protesto contra o desemprego e o custo de vida veio em seguida, marcado por confrontos violentos que se espalharam por todo o país.

Sob pressão popular, o presidente Zine El Abidine Ben Ali, no poder há 23 anos, fugiu para a Arábia Saudita em 14 de Janeiro de 2011.

 Apesar de a Tunísia, o único país que sobreviveu à Primavera Árabe, ter conseguido avançar na sua transição democrática, ela continua presa a um marasmo económico e social.

Assuntos Tunísia  

Leia também
  • 05/11/2018 11:37:24

    Tunísia: UA Lança actividade do seu Instituto de Estatísticas

    Tunis - O comissário da União Africana (UA) para os Assuntos Económicos, Victor Harison, lançou no fim-de-semana, em Tunis, as actividades do Instituto de Estatísticas da UA (STATAFRIC), criado em 2013 pelos chefes de Estado e de Governo da organização pan-africana.

  • 30/10/2018 09:33:13

    Tunísia: Uma kamikaze faz-se explodir em Tunis e fere nove pessoas

    Tunis - Uma suposta terrorista fez-se explodir segunda-feira à tarde, na avenida Bourguiba, perto do Teatro Municipal de Túnis, fazendo nove feridos dos quais oito agentes da segurança e um civil, anunciou o porta-voz do Ministério tunisino do Interior, Sofiane Zaâg, citado pela PANA.

  • 26/10/2018 10:59:55

    Presidente da Comissão Europeia cumpre visita de trabalho na Tunísia

    Túnis - O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, cumpre desde quinta-feira uma visita de dois dias na Tunísia, visando o reforço da cooperação entre o bloco europeu e este país do norte de África.

  • 25/10/2018 13:48:14

    Presidente da Comissão Europeia aguardado hoje na Tunísia

    Túnis - O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, vai realizar de 25 a 26 de Outubro uma visita oficial à Tunísia, a convite do presidente tunisino Beji Caid Essebsi, soube-se junto da Presidência tunisina.