Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

03 Novembro de 2018 | 00h29 - Actualizado em 03 Novembro de 2018 | 00h23

Filas em Maputo para obter cartas de condução antes do aumento de preço

Maputo - A subida de preços para obter a carta de condução em Moçambique, a partir de segunda-feira, tem motivado enchentes nos serviços do Instituto de Transportes Terrestres de Moçambique (Inatter), em Maputo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Hoje, a multidão era tanta que obrigou ao destacamento de agentes da Polícia da República de Moçambique (PRM), inclusivamente com recurso à brigada canina, para repor a ordem.

Centenas de utentes já estavam à porta quando os serviços abriram.

 Júlia Manhiça, estudante, disse que quando chegou ao Inatter às 05:20 já havia uma fila longa, mas foi um sacrifício que esteve disposta a fazer porque a subida de preços é "muito exagerada".

Emitir a carta vai passar de 500 para 2.500 meticais e quem vai aprender a conduzir também terá de pagar mais pelo exame.

"O nosso salário mínimo não chega para tratar da nossa carta de condução", diz, lamentando a recente posição da vice-ministra dos Transportes e Comunicações de Moçambique, Manuela Rebelo, que referiu que obter o documento depende das condições de vida de cada um.

Júlia Manhiça sublinha que muitas pessoas precisam da carta para trabalhar.

Raul Daniel, também na fila, deslocou-se ao local para recuperar o documento de condução antes de os novos preços entrarem em vigor.

"Dizer que só tira carta quem tiver carro é um insulto. Receber cinco mil meticais de salário e tirar 2.500 para a carta é um absurdo", comentou.

As alterações constam de um diploma ministerial publicado no Boletim da República a 05 de Setembro.

A vice-ministra dos Transportes e Comunicações de Moçambique, Manuela Rebelo, justificou na última semana o aumento com o facto de as actuais taxas serem insustentáveis.

"Acha que com 500 meticais [sete euros] posso produzir uma carta de condução?", questionou, interpelada por jornalistas.

Segundo Manuela Rebelo, a actualização de valores segue a linha do fim de diversos subsídios estatais à economia.

Assuntos África  

Leia também