Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

13 Março de 2018 | 16h48 - Actualizado em 13 Março de 2018 | 16h47

Moçambique: Maioria da população vive em zonas de risco de desastres naturais - ONU

Maputo - Cerca 60% da população moçambicana vive em zonas de risco de desastres naturais, refere um relatório apoiado pelo Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-Habitat), apresentado hoje em Maputo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Construções em zonas de risco

Foto: Morais Silva

Trata-se de zonas propensas à ocorrência de cheias, intempéries e sismos, precisou Evandro Holz, um dos autores do relatório.

O principal risco envolve os residentes em zonas costeiras ou nas proximidades do leito de rios e lagos, áreas propensas à ocorrência de ciclones e inundações.

Outra ameaça consiste no risco sísmico que atravessa o país de norte a sul, segundo o relatório.

O documento, intitulado Perfil do Sector da Habitação em Moçambique, indica que, apesar de existirem estratégias gerais de redução de riscos em planos nacionais, não há políticas específicas de habitação resiliente.

"As autoridades locais, por vezes, não respeitam a definição de zonas disponíveis para construção" e "falta assistência local para práticas de construção resiliente", refere o relatório, que sugere a saída urgente das populações em zonas de risco.

A pesquisa, que durou seis meses, abrangeu todo o país.

O estudo acrescenta que 92% da população não tem um documento de Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT) sobre os terrenos que ocupa, incentivando o mercado informal de venda e compra de terras, o que lesa o Governo em impostos que não são cobrados.

Por outro lado, sem esse documento, os residentes "não têm segurança sobre as suas propriedades", observou Evandro Holz, acrescentando que os impostos em falta poderiam ajudar o Governo a investir no desenvolvimento habitacional e urbano.

O relatório recomenda a definição de políticas que dinamizem o Fundo para Fomento de Habitação de Moçambique, tutelado pelo Ministério das Obras Públicas, garantindo que haja maior aposta também em infraestruturas sociais em função das necessidades da comunidade.

A actualização das leis de habitação existentes no país é urgente, na medida em que o quadro legislativo vigente na matéria é do tempo colonial, acrescenta-se.

Assuntos Moçambique  

Leia também
  • 08/11/2018 12:41:07

    Missão do FMI em Moçambique para avaliar situação macroeconómica

    Maputo - Uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) encontra-se em Moçambique para consultas com as autoridades locais sobre a evolução da situação macroeconómica do país, disse hoje o ministro da Economia e Finanças moçambicano, Adriano Maleiane.

  • 01/11/2018 10:56:27

    Moçambique: Voos directos com o Botswana

    Maputo - Voos directos vão ligar Moçambique e o Botswana, a partir de 2019, anunciou quarta-feira o ministro moçambicano dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, José Pacheco.

  • 31/10/2018 12:11:17

    Provedor de Justiça de Moçambique contra desrespeito das ordens dos tribunais

    Maputo - O Provedor de Justiça de Moçambique, Isaque Chande, criticou hoje (quarta-feira) o desrespeito de decisões dos tribunais por entidades da Administração Pública, assinalando que a conduta viola os direitos e liberdades dos cidadãos.

  • 31/10/2018 11:50:28

    Moçambique pode limitar pobreza a 21,8% da população até 2030 - BM

    Maputo - Moçambique poderá reduzir a pobreza a 21,8% da população até 2030, no quadro do objectivo estabelecido pelas ONU para a erradicação da pobreza extrema, no melhor dos cenários traçados pelo Banco Mundial (BM), estima um estudo a ser apresentado nesta quarta-feira.