Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

13 Março de 2018 | 16h46 - Actualizado em 13 Março de 2018 | 17h46

RDC: Alto funcionário da ONU visita campos de deslocados

Nova Iorque - O secretário-geral adjunto da ONU para os Assuntos humanitários, Mark Lowcock, iniciou domingo último a sua primeira visita na Republica Democrática do Congo (RDC), para constatar a situação dos deslocados naquele país, refere um comunicado publicado segunda-feira pela ONU, em Nova Iorque.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Refugiados (fotos de Arquivo)

Refugiados

Foto: ANGOP

Durante a visita de 48 horas naquele maior país da África central, o alto funcionário da ONU vai visitar a vila de Kalemie, província do Tanganyika, onde vai avaliar o trabalho humanitária das Agencias daquela organização intergovernamental mundial e das ONG que trabalham na assistência dos deslocados.

Na sua visita, Lowcock faz-se acompanhar do ministro holandês para o Comércio externo e da cooperação, Sigrid Kaag que, em Março, preside o Conselho de segurança. Os dois responsáveis têm agendado encontros com as autoridades congolesas que têm a responsabilidade primária de proteger os civis no país.

Actualmente, a RDC vive uma crise humanitária complexa. Segundo o relatório mundial do centro de monitorização dos deslocamentos internos publicado no ano transacto, a RDC conta tem o maior número de deslocados internos, no Mundo.

No fim de 2017, foram registados 3,7 milhões de deslocados em todo o território nacional, dos quais dois milhões no Kasai e no Tanganyika.

A visita do chefe das ajudas humanitárias da ONU, na RDC, intervém a um mês da primeira conferência internacional de doadores para o país, que terá lugar Genebra.

No inicio do corrente ano, a sociedade humanitária, na RDC, lançou um apelo para a recolha de fundos recordes de 1,68 mil milhões de dólares americanos, para atender cerca de 10,5 milhões de pessoas.

Assuntos Refugiados  

Leia também