Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

11 Março de 2019 | 09h22 - Actualizado em 11 Março de 2019 | 09h22

Líder do PAIGC augura uma cooperação profícua com Angola

Bissau (Dos enviados especiais) - O presidente do Partido para Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, augurou, hoje, em Bissau, uma cooperação bastante profícua com Angola, em caso de vitória do seu partido nas eleições legislativas de domingo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Líder do PAIGC, Domingos Simão Pereira, espera vitória para a sua formação política

Foto: Nelson Malamba

O PAIGC tem grandes hipóteses de vencer as eleições legislativas guineenses, marcadas pelo civismo, forte participação dos eleitores e sob o olhar dos observadores internacionais.

Em entrevista exclusiva à Angop, o político guineense acredita que as relações históricas entre os dois povos e países subirão, em prol de uma cooperação muito profícua para ambas as partes.

O político disse que a Guiné-Bissau olha para Angola como uma referência africana muito importante, um país com uma economia mais robusta, uma democracia mais desenvolvida e com responsáveis que conhecem bem a realidade guineense, os actores políticos guineenses e os dirigentes do PAIGC.

Entende que esses são factores que irão trabalhar a favor de uma aproximação e interacção bastante positiva, porque, segundo afirma, o facto de Angola viver neste momento uma nova fase poderá beneficiar também o seu país.

Domingos Simões Pereira, que em anos idos exerceu o cargo de secretário Executivo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP), espera que a Guiné-Bissau possa também dar passos significativos que Angola já deu nos últimos anos.

O líder do PAIGC está convicto de que Angola, o Governo angolano, no caso, não terá dificuldades em favorecer uma cooperação séria estratégica com a Guiné-Bissau num futuro governo sob sua liderança.

Para si, esse pressuposto deverá ser feito num quadro em que os instrumentos de cooperação já são conhecidos e podem ser mobilizados de forma célere.

Maioria absoluta para uma governação de estabilidade

“A nossa expectativa é que o povo conceda ao PAIGC uma maioria absoluta de deputados na Assembleia Popular, para permitir que haja uma governação de estabilidade”, reiterou, à Angop, Domingos Simões Pereira, na capital guineense, Bissau.   

Explicou que o seu partido persegue tal pressuposto porque durante os últimos três anos e meio “as instituições da República e, particularmente, o senhor Presidente da República, demonstraram grandes dificuldades, para não dizer incapacidade em gerir a falta de uma maioria”.

Entende que, em democracia, cabe ao povo dirimir estas dificuldades e pronunciar-se, de forma clara e inequívoca, sobre a quem concede competência para os representar nos próximos quatro anos.

Em caso de vitória, disse, o PAIGC saberá coabitar com as demais forças políticas.

Segundo o político, durante os três anos e meio que duraram a última crise, apesar de comportamentos menos coerentes por parte de alguns partidos que estiveram com o PAIGC na governação, nunca se pronunciou contra nenhum deles.

A Guiné-Bissau tem vivido um ciclo muito longo de instabilidade, de conflitos e dificuldades em consolidar um Estado de direito democrático.

De acordo com o líder do PAIGC, com as eleições de 2014 abriu-se uma nova página porque os actores políticos que surgiram davam indicação de poder resgatar o país e promover o desenvolvimento ambicionado por todos.

Logo após o início da governação, explicou, o PAIGC apresentou um plano estratégico operacional que, para muitos, foi um documento para levar à mesa redonda, mas para o seu partido tratava-se de uma espécie de contrato social que convocava todos os actores políticos guineenses.

Domingos Simões Pereira disse haver um entendimento e consenso para tirar o país desse marasmo de debate político sem substância.

Referiu que, infelizmente, nem todos deram provas de estarem preparados para esse consenso e colocar o país em primeiro lugar.

Por isso, ressaltou que o PAIGC volta na condição de ser o único partido portador de um projecto de sociedade que possa reunir os guineenses e propor uma solução verdadeiramente exequível e sustentável para o desenvolvimento do país.

“Sempre disse que não nos competia, a nós, julgar o comportamento de um ou outro partido, o povo fará esse julgamento. O que nós reprovamos, na altura, foi o facto de o Presidente da República não conseguir se manter equidistante de um debate que é político e partidário”, exprimiu.

Explicou que vão continuar a dialogar com as outras forças políticas e encontrar consensos para colocar os interesses da Guiné-Bissau em primeiro lugar.

Lamentou, entretanto, o facto de haver ainda dirigentes partidários que não estão preparados para essa convivência e que “vêm a usurpação do poder como parte do exercício democrático, o que não é a interpretação do que nós fazemos das regras democráticas”.

Por seu turno, o analista Raul Pires acredita na vitória do partido de Domingos Simões Pereira nessas eleições legislativas.  

“Domingos Simões Pereira é, precisamente, o político guineense que neste momento melhor fala com a comunidade internacional, tem um discurso inteligível, ou seja, ele sabe o que a comunidade internacional quer ouvir”.

Para si, Domingos Pereira percebe, claramente, os códigos da linguagem da comunidade internacional e essa é receptiva aos discursos e as propostas desse político guineense.

“Portanto, me parece muito importante mais Domingos Simões Pereira do que o PAIGC sair reforçado desta eleição para levar avante o seu programa de desenvolvimento nacional denominado “Terra Arranca”, que depende, fundamentalmente, de máquinas agrícolas e do apoio da comunidade internacional”, expressou.

No âmbito do acompanhamento das eleições legislativas, a Célula de Monitorização Eleitoral da Guiné-Bissau colocou no terreno 420 monitores para constatação das ocorrências que poderiam afectar o bom desempenho do processo de votação.

No seu relatório, a Célula de Monitorização Eleitoral refere que, de um modo geral, as assembleias de voto abriram no horário determinado por lei, ou seja, no universo de 315 mesas, 286 abriram conforme a determinação legal.

Constatou, entretanto, a interrupção em algumas assembleias de voto devido aos incidentes de trocas de cadernos e ausências dos nomes de alguns eleitores nos cadernos eleitorais.

Após as eleições legislativas correram sem sobressaltos na Guiné-Bissau, os resultados provisórios serão conhecidos apenas na terça-feira, mas a Comissão Nacional de Eleições (CNE) prometeu fazer hoje, segunda-feira, um primeiro balanço da votação. 

Assuntos Eleições   Guiné-Bissau  

Leia também