Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

05 Setembro de 2019 | 18h58 - Actualizado em 05 Setembro de 2019 | 18h58

Presidente sul-africano promete agir contra violações e femicídio

Pretória - O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, prometeu hoje que irá fortalecer as leis de combate a violações e violência contra mulheres no país, que tem sido palco deste tipo de crimes.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa (Foto arquivo)

Foto: Pedro Parente

“Basta, iremos agir”, afirmou o chefe de Estado, que prometeu anunciar uma série de medidas até ao final do dia.

Cyril Ramaphosa admitiu que o Governo deve tomar medidas urgentes para parar a violência contra as mulheres, considerando que “homens que matam e violam devem permanecer o resto da sua vida na prisão”.

“A lei deve mudar para que o violador ou o assassino sejam condenados à prisão perpétua sem fiança”, acrescentou.

As mulheres são as principais vítimas das mais de 130 violações e agressões sexuais registadas diariamente no país.

De acordo com a ministra da Mulher, Maite Nkoana-Mashabane, no mês passado, mais de 30 mulheres foram assassinadas pelos cônjuges.

Nas últimas semanas, relatos de assassinatos de jovens do sexo feminino – incluindo de uma rapariga de 14 anos – encheram as manchetes da imprensa sul-africana.

 

Em 24 de Agosto, uma estudante da Universidade da Cidade do Cabo, Uyinene Mrweyanda, de 19 anos, foi, alegadamente, violada e agredida até à morte por um trabalhador do serviço postal.

Poucos dias depois, em 30 de Agosto, a campeã de boxe sul-africana Leighandre “Baby Lee” Jegels, de 25 anos, foi assassinada a tiro pelo namorado, um agente da polícia.

As mortes e a violência levaram mulheres de todo o país a partilharem as suas experiências e receios de serem as próximas vítimas da violência por parte de homens, recorrendo às redes sociais através da ‘hashtag’ “#AmINext” (“serei a próxima”).

A África do Sul é um dos países mais violentos do mundo para as mulheres, registando a quarta maior taxa de mortes por “violência interpessoal”, de acordo com o portal de verificação de factos Africa Check.

O mesmo ‘site’ refere que uma mulher é assassinada a cada três horas na África do Sul.

No ano passado, a África do Sul registou um aumento de 6,9% no número de homicídios, com uma média de 57 por dia.

Assuntos Crime   África do Sul  

Leia também
  • 05/09/2019 14:23:41

    África do Sul/Xenofobia: Nigéria evacua seus cidadãos

    Abuja - Um magnata nigeriano disponibilizou um avião para repatriar gratuitamente os seus concidadãos visados por acções xenófobas na África do Sul, anunciou o Ministério dos Negócios Estrangeiros.

  • 03/09/2019 17:19:38

    Governo sul-africano condena ataques contra estrangeiros

    Pretória - O governo sul-africano condenou hoje os recentes ataques contra estabelecimentos estrangeiros nas províncias de Gauteng e KwaZulu Natal (KZN) e anunciou que esses actos violam as leis e serão confrontados sem medo ou favor.

  • 03/09/2019 11:49:26

    Menina sul-africana sequestrada em frente a sua escola foi encontrada ilesa

    Pretória - Uma menina de seis anos, sequestrada segunda-feira à entrada da sua escola na cidade de Vanderbijlpark, foi encontrada e examinada por médicos, informaram esta terça-feira os porta-vozes da família, noticiou a prensa latina.