Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

02 Outubro de 2019 | 17h52 - Actualizado em 02 Outubro de 2019 | 17h52

Dissidentes da Renamo sem ligação a ataques no centro de Moçambique - polícia

Maputo - A Polícia da República de Moçambique (PRM) disse hoje que os ataques armados contra viaturas no centro do país, que já provocaram alguns feridos desde Agosto, não estão associados a guerrilheiros dissidentes da Renamo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Não há nenhuma informação que ligue esses indivíduos (que praticam os ataques) à autoproclamada Junta Militar da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo)", criada em Junho, referiu Orlando Modumane, porta-voz da PRM em conferência de imprensa, em Maputo.

A PRM considera que se trata de "criminosos não identificados" que realizam "ataques esporádicos" em Manica e Sofala e refere que "há uma investigação em curso" para os deter.

Os disparos têm atingido carros, camiões de mercadorias, autocarros e até uma ambulância, em diferentes troços de estrada das províncias de Manica e Sofala.

A zona centro de Moçambique foi historicamente palco de confrontos armados entre forças governamentais e a Renamo até Dezembro de 2016, altura em que as armas se calaram, tendo a paz sido selada num acordo subscrito em 06 de Agosto último.

Permanecem na zona guerrilheiros, em número incerto, que formaram uma autoproclamada Junta Militar para contestar a liderança da Renamo e defender a renegociação do seu desarmamento e reintegração na sociedade.

O grupo de guerrilheiros já ameaçou por mais que uma vez recorrer às armas caso não seja ouvido - mas, por sua vez, também se diz perseguido por outros elementos desconhecidos.

Assuntos Conflito   Moçambique  

Leia também