Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » África

22 Maio de 2020 | 20h16 - Actualizado em 22 Maio de 2020 | 19h55

Filipe Nyusi enaltece "abnegação" da polícia na resolução de raptos

Maputo - O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse hoje que a resolução dos casos de raptos no país resulta do esforço "abnegado" da polícia, numa altura em que as autoridades contabilizam, só neste ano, sete casos, três dos quais resolvidos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Presidente da República de Moçambique, Filipe Nyusi

Foto: Nelson Malamba

"O combate cerrado dos crimes de rapto e sequestros dos nossos concidadãos são fruto do vosso [Polícia da República de Moçambique] trabalho abnegado", disse Filipe Nyusi, falando durante a cerimónia de promoção de seis oficiais generais das Forças de Defesa e Segurança em Maputo.

Na quarta-feira, a polícia moçambicana resgatou dois empresários, Rizwan Adatia e Manish Cantilal, duas das sete vítimas de sequestros registados no país desde o início do ano.

Na quinta-feira, o empresário do sector comercial Liacat Moreira e Silva, raptado há uma semana na cidade da Beira, província de Sofala, centro de Moçambique, foi libertado em "circunstâncias por apurar", disse à Lusa fonte policial.

Dados da Procuradoria Geral da República indicam que 15 processos-crime por rapto foram instaurados em 2019, mais um que no ano anterior.

"O sistema judicial hoje funciona graças à vossa entrega e patriotismo", frisou o chefe de Estado moçambicano, apelando à vigilância dos recém-promovidos para casos de corrupção dentro da instituição.

Na mesma ocasião, o Presidente moçambicano encorajou também a polícia a lutar contra grupos armados em Cabo Delgado, onde, pelo menos, 550 pessoas já morreram devido à violência armada classificada como uma ameaça terrorista naquela província do norte de Moçambique.

"Os actos macabros põem em causa o Estado de Direito democrático e atentam contra os mais elementares direitos humanos, a vida, integridade física e habitação e bem assim a liberdade de circulação", disse.

Filipe Nyusi empossou hoje Aníbal Rafael para o cargo de director do Departamento de Comunicações no Estado-Maior General das Forças Armadas de Defesa, Lurdes Espada, para directora de Doutrina e Ética Policial no Comando-Geral da Polícia, e Inácio Dina para o cargo de Comandante Provincial da Polícia na província de Maputo, entre outros oficiais da cooperação.

Assuntos Moçambique  

Leia também