Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ambiente

06 Dezembro de 2018 | 15h22 - Actualizado em 06 Dezembro de 2018 | 16h56

Parques contribuem no desenvolvimento sócio-económico do país- ministro de Estado

Luanda - As áreas de conservação são chaves que providenciam bens e serviços ecossistémicos determinantes para a saúde pública e o desenvolvimento sócio-economico do país, afirmou nesta quinta-feira, em Luanda, o ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Manuel Nuno Junior, Ministro do Estado para Coordenação económica

Nesta conformidade, avançou o governante, que falava  na abertura da conferência internacional de reservas e parques, o país aprovou uma nova Lei de Investimento Privado, com vários incentivos ao investimento estrangeiro, a fim de se captar finanças e elevar o perfil das áreas de conservação e do desenvolvimento local e nacional.

O ministro considera a conservação da biodiversidade como uma enorme fonte de emprego e de benefícios sociais, económicos, desenvolvimento do ecoturismo e ao acesso a plantas medicinais.

Ressaltou ser nestas áreas onde são conservados os recursos genéticos, a fauna selvagem e os valores culturais que, em conjunto, formam um grande atractivo aos visitantes provenientes de várias partes do mundo.

Explicou que Angola está a criar condições para que os investidores nacionais e estrangeiros se sintam seguros, pois é factor fundamental para o investimento, crescimento e prosperidade das nações.

Angola está determinada a trabalhar com os demais países no controlo do comércio internacional das espécies de flora e fauna e continuar a incrementar a colaboração com os países da região, no desenvolvimento das áreas de conservação transfronteiriças, como os casos do Iona, a Costa dos Esqueletos, do KAZA e da área do Maiombe.

Para o efeito, o Executivo está a trabalhar no sentido de aumentar os incentivos ao investimento nas áreas de conservação, por serem locais onde vivem a maior parte das comunidades rurais do país, que carecem de integração sócio-economica, sem desrespeitar as suas tradições e culturas.

O investimento estrangeiro em áreas ecológicas, de acordo com Manuel Nunes Júnior, contribui para o reforço da diversificação da económica nacional, através do efeito multiplicador da economia da biodiversidade em sectores como a agricultura, comércio, serviço e construção civil, no meio rural.

Angola dispõe dos parques nacionais da Cangandala, Iona, Cameia, Mavinga, Luengue-Luiana e Mupa, do Parque Regional da Cimalavera, natural regional do Namibe, das reservas Florestal de Umpulo, natural integral do Luango, florestal do Kavongue, reserva parcial de Luiana, de Mavinga, Reserva do Luando, reserva natural do Ilhéu dos Pássaros, reserva parcial de Luiana, reserva Búfalo, reserva parcial de Mavinga, florestal de Kakongo.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 06/12/2018 15:14:20

    Parques da Mupa e Cameia com carência de infra-estruturas

    Luanda - Os Parques Nacionais da Mupa e Cameia, localizados nas províncias do Cunene e Moxico, respectivamente, apresentam maiores debilidades em termos de infra-estruturas de apoio ao funcionamento dos sítios naturais em causa no país.

  • 30/11/2018 15:49:44

    INBAC promove auscultação do Plano de Gestão do Parque Nacional de Cangandala

    Luanda - Melhorar os mecanismos de gestão da biodiversidade existente no Parque Nacional da Cangandala (Malanje) , com vista ao seu fortalecimento e expansão, constitui um dos principais objectivos do Instituto Nacional de Biodiversidade e Áreas de Conservação (INBAC).

  • 17/11/2018 17:35:22

    Estado do mar em território angolano

    Luanda - O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INAMET) antevê, até às 18h00 de domingo (18), uma circulação de Sudoeste fraca entre os paralelos 4ºS a 12ºS, e do quadrante Sudeste, moderada a forte, entre os 16ºS a 18ªS, com aviso de ondas até aos três metros de altura, na costa do Namibe, entre os paralelos 16ºS a 18ºS, anunciando para as quatro zonas litorais, as seguintes condições climatéricas: