Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Ambiente

11 Junho de 2018 | 15h40 - Actualizado em 11 Junho de 2018 | 17h57

Ministra aponta prioridades para 2017/2022

Luanda - A ministra do Ambiente, Paula Francisco, apontou o saneamento urbano e rural como prioridades do sector no período 2017/2022, sem descurar a inclusão económica.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Falando na apresentação da Estratégia Nacional de Saneamento Total Liderado pelas Comunidades e Escolas em Angola, a ministra disse que o saneamento constitui uma das maiores preocupações da agenda mundial, dada a sua forte relação com os níveis de qualidade de vida das populações.

Os relatórios da OMS apontam que em 2017 cerca de 4,5 bilhões de pessoas no mundo carecem de saneamento seguro e 2,5 respectivamente, não têm acesso à água.

"Estes dados devem merecer uma atenção de todos, olhando para o impacto negativo que causa no seio das populações, sobretudo nos países em desenvolvimento", realçou.

Esclareceu que estas acções enquadram-se nos esforços do executivo sobre a melhoria da qualidade de vida das populações e encontram-se alinhadas nos vários compromissos assumidas, quer a nível dos objectivos do desenvolvimento sustentável, nos 11 compromissos com a criança sobre a " Esperança de Vida ao Nascer", agenda Africana entre outros.

O programa de saneamento total liderado pela comunidade e escolas tem se constituído numa ferramenta importante para a resolução dos problemas de saneamento das populações nas zonas peri-urbanas e rurais, sobretudo na identificação de acções concretas para responder aos problemas identificados, contribuindo para uma melhor planificação e execução dos programas através de agentes comunitários e lideres naturais.

O programa está a ser implemtado em Angola desde 2008, tendo começado como projecto piloto na província da Huíla, a quando do surto de cólera, e estendeu-se para Bié e Moxico.

Assuntos Ambiente  

Leia também
  • 03/02/2019 16:33:37

    Tempo em Angola

    Luanda - O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INAMET) prevê, até às 18h00 de segunda-feira (dia 04), para a região Norte do país, a ocorrência de chuva moderada a forte, acompanhada por vezes de trovoada em alguns municípios das províncias do Zaire, Cabinda, Bengo, Uíge, Malanje, Lunda Sul e Lunda Norte durante a manhâ e ao entardecer.

  • 02/02/2019 19:21:32

    Previsão do tempo

    Luanda - O Instituto Nacional de Meteorologia e Geofísica (INAMET) prevê, até às 18h00 de domingoo (dia 03), para a região norte do país, a ocorrência de chuva fraca a moderada, acompanhada, por vezes, de trovoada em alguns municípios das províncias de Cabinda, Malanje, Lunda Norte e Lunda Sul durante a noite e ao longo da tarde.

  • 01/02/2019 15:33:06

    Fixada quota para importação de hidroclorofluocarbonos

    Luanda - Cento e setenta toneladas de hidroclorofluocarbonos (HCFCs) é quantidade que 42 empresas em Angola estão autorizadas a importar este ano.

  • 01/02/2019 14:04:23

    Elaboração de relatório sobre biodiversidade previsto para Março

    Luanda - A elaboração do sexto Relatório Nacional para a Convenção da Biodiversidade (6RNB) está prevista para Março de 2019, devido a transferência tardia dos fundos, no valor de 207.551 dólares.