Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

27 Maio de 2019 | 06h03 - Actualizado em 27 Maio de 2019 | 09h50

AfroLiga: Capitão militar encerra noite da consagração com triplos

Luanda - Com dois triplos consecutivos nos últimos minutos, o capitão do 1º de Agosto, Armando Costa, fechou em grande plano a partida da consagração do nono troféu africano de clubes, na noite deste domingo, em pleno pavilhão Multiusos do Kilamba, na capital do país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

capitão do 1º de Agosto, Armando Costa

Foto: Henri Celso

Saído do banco de suplentes no momento crucial da partida com o objectivo de pautar o jogo na contenção, visto ser esta uma das suas especialidades, o base fez-se rogado e alargou a vantagem com seis dos seus nove pontos no espaço de um minuto, o que desestabilizou moralmente os egípcios, pois tinham ainda esperança na revalidação.

Os triplos do capitão sucederam-se aos de Emanuel Quezada e Islando Manuel, totalizando quatro em particular no último período, e foram encarados como “lufada de ar fresco” para os “militares”, visto terem surgido numa fase em que o adversário pressionava e aos poucos ia diminuindo a desvantagem.

Ante a altura e porte físico desequilibrador dos marroquinos, o D’Agosto viu, além da defesa, no jogo exterior o caminho ideal para alcançar o título perdido há seis anos.

Quezada, com quatro triplos, e Mingas, com três e dois smash’s à mistura, destacaram-se nesta área, numa noite colorida com predominância para o vermelho e preto (cores do clube), levando ao delírio os cerca de cinco mil apoiantes presentes, ávidos em ver a equipa voltar ao topo africano de clubes.

Na linha dos seis metros e 75 centímetros contribuíram também Islando Manuel e Gildo Santos com dois triplos cada.

Mas, apesar da boa prestação nos lançamentos à longa distância, a equipa angolana quase comprometeu o triunfo, pois teve um terceiro período bastante negativo com seis minutos e dois segundos sem marcar qualquer ponto, situação aproveitada pelo Salé que, a perder por oito pontos de diferença (42-34), passou à frente do marcador (44-47).

A recuperação adversária deixava os comandados de Paulo Macedo desorientados, na quadra, e os seus adeptos incrédulos nas bancadas, dando aos marroquinos a ideia de que a revalidação do troféu era possível, mesmo em terreno adverso.

Diante desta situação, o treinador rubro-negro solicitou desconto de tempo, conversou com os “pupilos” e parece ter refrescado as suas memórias, sendo que pouco tempo após ao reatamento Quezada restabeleceu a igualdade a 47 pontos, com um triplo que devolveu “vida” aos adeptos, em particular a sua claque organizada composta por quase duas centenas de pessoas. 

O D'Agosto foi superado no terceiro período (13-19) e ao cabo dos 10 minutos regulamentares vencia somente por 55-53. Mas o melhor estava por vir.

Armando Costa e companheiros efectuaram um último quarto irrepreensível, ao superarem o adversário por 26-18, com realce para quatro triplos, dos quais os dois do capitão que acabaram por consumar o fim da história e lhe reservar o privilégio de receber o troféu de campeão da primeira e única edição denominada AfroLiga das mãos do presidente da FIBA/África, o maliano Hamane Niang.

O 1º de Agosto esteve melhor que o AS Salé em todos os itens das estatísticas, tendo convertido 14 triplos em 34 tentados, aproveitamento de 41.2%, contra 27.8% (5/18) dos marroquinos, ao passo que nos lançamentos de campo (dos 2 pontos) teve 40.0% (30/75) e o adversário 37.9% (25/66) e nos lances livres 69.2% (9/13), contra 66.7% (16/24).

A formação angolana capturou 47 ressaltos, mais dois que os visitantes, e efectuou 21 assistências, perdeu 11 bolas e conseguiu 10 roubos de bola, ao passo que do lado contrário houve 12 assistes, 18 perdas e 5 roubos de bola.

A partida foi ajuizada pelo trio Kingsley Ojeaburu (Nigéria), Tonton Kalume (RD Congo) e Sameh Estafanous (Egipto) e as equipas marcaram:

1º de Agosto: Cissé (4), Ndoniema (2), Armando (9), Felizardo (9), Mutu (0), Quezada (17), Mingas (2), Gildo (10), Islando (12) e Harris (0). Pedro Bastos e Carlos Cabral não jogaram.

AS Salé: Najah (12), Mashini (6), Kourodu (6), Masbahi (0), Arnold (21), Choua (5), Zouita (15) e Wood (6). Belhaddar, Jaddi, El Ghazi e Baeri não foram utilizados.

Assuntos Basquetebol  

Leia também
  • 27/05/2019 07:14:38

    Basquetebol: Vitória do 1º de Agosto patenteia a nação-FAB

    Luanda - O título de campeão da AfroLiga conquistado domingo pelo 1º de Agosto, após vitória sobre AS Salé do Marrocos (83-71) patenteia a imagem do país, afirmou o presidente da Federação Angolana de Basquetebol, Hélder Cruz "Maneda".

  • 27/05/2019 03:56:28

    Basquetebol: Terceiro lugar da AfroLiga satisfaz técnico do Smouha do Egipto

    Luanda - O técnico do Smouha do Egipto, Mohamed Rezk, mostrou-se domingo satisfeito com o terceiro lugar conquistado na AfroLiga de basquetebol sénior masculino, após vitória sobre o JSK da Tunísia, por 69-58, nas classificativas.

  • 27/05/2019 01:57:33

    Basquetebol: Chegada tardia dita fracasso do JSK da Tunísia

    Luanda - O treinador do JSK da Tunísia, Ben Riadh, afirmou domingo, em Luanda, que o facto de a sua equipa chegar um dia antes do inicio da prova elevou o nível de pressão dos atletas que determinou a quarta e última posição obtida na AfroLiga de basquetebol masculino, após derrota frente ao Smouha do Egipto, por 58-69, nas classificativas.