Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Desporto

20 Maio de 2020 | 06h35 - Actualizado em 20 Maio de 2020 | 09h30

Andebol - 46 anos de domínio em África

Luanda - Treze títulos africanos, seis participações consecutivas em Jogos Olímpicos (desde Atlanta'1996), sétimo lugar no Campeonato do Mundo França'2007 fazem do andebol angolano hegemónico em África, em 46 anos de existência, cuja efeméride se assinala hoje, quarta-feira.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Angola colecciona troféus

Foto: Marcelino Camões

O dia do andebol foi instituído por conta de um episódio em 1974, quando a 20 de Maio, no calor da luta anti-colonial, um grupo de desportistas nacionalistas se rebelou contra a administração portuguesa, recusando-se a continuar sendo uma associação provincial.

Na altura, liderados por Victor Nunes, dirigentes, treinadores e praticantes realizaram uma actividade que consistia em pedir a constituição de uma federação, mas não foram bem sucedidos.

No entanto, já com o país independente, a 11 de Novembro de 1975, a Federação Angolana de Andebol (FAAND) foi instituída, em 1978, com a inscrição na Federação Internacional  (IHF) e nomeação de Francisco de Almeida como primeiro presidente do órgão, em 1979.

A efeméride, que se assinala esta quarta-feira, não será celebrada como anteriormente, porque num ano atípico, “interpôs-se” a pandemia do novo coronavírus (covid-19), que forçou a anulação ou interregno de várias competições no mundo.

O histórico do domínio avassalador de Angola no continente berço da humanidade iniciou-se em 1989, em Argel, capital da Argélia, com a conquista da primeira taça africana, muito “por culpa” das "senhoras".

De lá para cá totalizam-se 13 troféus - o último ocorreu em 2018, na República do Congo.

As angolanas estiveram por 13 vezes em Campeonatos do Mundo, destacando-se o sétimo lugar alcançado na edição 2007 em França, a melhor classificação de sempre. Obteve-se ainda um oitavo posto no Brasil, em 2011.

Angola competiu já por seis vezes em Jogos Olímpicos - Atlanta (1996), Sidney (2000), Atenas (2004), Pequim (2008), Londres (2012) e Rio de Janeiro (2016).
 
A nível de clubes, na Taça dos Campeões africanos, a formação feminina do Petro de Luanda tem dominado, detendo 18 títulos, 17 dos quais consecutivos (de 1995 a 2013).

Na Supertaça Babacar Fall, prova disputada entre os vencedores da Taça de África dos Clubes Campeões e os da Taça das Taças, as “petrolíferas” também têm passeado classe, com 18 títulos conquistados, secundadas, pelo 1º de Agosto (5 troféus).

Em masculinos, a referência recai para as presenças nos Campeonatos do Mundo em 2005, 2007 e 2017 e a medalha de ouro nos Jogos Africanos de Rabat'2019.

Relativamente aos treinadores das selecções principais, destaque para o falecido Jerónimo Neto, que levou o combinado feminino à conquista do inédito sétimo lugar (Mundial de França'2007).

Realce igualmente para Filipe Cruz, que, com os masculinos, conquistou duas medalhas de bronze nos Campeonatos Africanos das Nações de 2016 e 2018, medalha de prata nos Jogos Pan - africanos de Maputo'2011 e Brazaville'2015.

Palmira Barbosa, Ana Paula do Sacramento Neto, Maura Faial, Elisa Weba, Ilda Bengue, Fábia Raposo, Filomena Trindade, Marcelina Quiala, Odete Tavares, Justina Praça e Teresa Almeida "Bá" figuram entre as atletas que ajudaram a fazer de Angola o país mais titulado no continente.

Seguiu-se uma legião de “estrelas” como Luisa Quiala, Azenaide Carlos, Natália Bernardo, Carolina Morais, Wuta Dombaxe, Matilde André, Albertina Kassoma, Marta dos Santos, Rossana Quitongo, Isabel Guialo,  Magda Cazanga, entre outras.

Nos homens pontificam nomes como os de Paulo Bunze, Pírulas, Geovani Muachissengue, Gabriel Teca, Sérgio Lopes, Romé Hebo, Pedro Neto, Francisco Marçal e Elias António.

Competições internas

O Petro de Luanda, com 23 troféus, é a agremiação feminina com mais títulos nacionais, o primeiro obtido em 1989 e o último em 2018. Segue-se o Ferroviário de Luanda com oito (o primeiro em 1979 e o último em 1987).

Em masculinos a hegemonia doméstica é do 1º de Agosto, com 26 troféus (o primeiro em 1980 e o último em 2018).

A Federação é liderada pelo cessante Pedro Godinho (2008/2020), numa lista com oito antecessores.

Já presidiram a FAAND Francisco de Almeida (1979/1981), Hélder de Moura (1981/83), Marcelino Lima (1983/85), Sardinha de Castro (1988/86), Augusto Figueiredo (1987/90), José de Lima (1990/98), Hilário de Sousa (1998/2000) e Archer Mangueira (2001/2008).

Assuntos Andebol  

Leia também
  • 20/05/2020 09:26:57

    Presidente da FAAND pondera liderar COA

    Luanda - O presidente da Federação Angolana de Andebol (FAAND), Pedro Godinho, afirmou à Angop, em Luanda, que aceitaria o desafio de liderar o Comité Olímpico Angolano (COA) caso fosse proposto por membros da Comissão Executiva do organismo.

  • 20/05/2020 06:45:51

    Andebol: Pedro Godinho defende lista única

    Luanda - O presidente cessante da Federação Angolana de Andebol (FAAND), Pedro Godinho, defendeu em entrevista à Angop, em Luanda, a constituição de uma lista única nas eleições para o quadriénio 2020/2024, para garantir a continuidade dos programas.

  • 18/05/2020 23:11:48

    Dois gestores espreitam liderança da FAAND

    Luanda - Em véspera do aniversário da Federação Angolana de Andebol (FAAND), a assinalar-se quarta-feira, dois gestores desportivos espreitam à presidência, numa altura em que o adiamento dos Jogos Olímpicos de 2020 para 2021 pode transferir as eleições para o próximo ano.