Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

11 Julho de 2018 | 12h59 - Actualizado em 11 Julho de 2018 | 12h59

BCI necessita de AKZ 11 biliões para financiar Projovem

Luanda - O Banco de Comércio e Indústria (BCI) está sem disponibilidade para financiar 600 projectos do Projovem, avaliados em 11 biliões de kwanzas, anunciou o seu presidente do conselho de administração, Filomeno Ceita.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

“Temos 600 processos do Projovem que deram entrada e foram aprovados, mas não podem sair porque não temos dinheiro, cerca de AKZ 11 biliões”, disse, em conferência de imprensa de balanço dos últimos três anos de actividades, promovida por ocasião do 27º aniversário, que se  assinala hoje (quarta-feira).

Além dos processos acima referidos, que entraram recentemente, outros 276 tinham sido aprovados, dos quais 230 foram financiados com quatro biliões e 370 milhões de kwanzas.

Afirmou que os demais projectos estão sem aprovação porque Ministério das Finanças (MINFIN) “nunca disse que havia hipótese de não haver dinheiro para continuidade do programa”.

Referiu que dos 230 financiados, Luanda ficou com 122 projectos e a zona leste do país (composta pelas províncias do Moxico, Lunda Sul e Lunda Norte) teve poucos projectos aprovados.

Os projectos estão virados para as áreas de comércio, prestação de serviços, agricultura, indústria, pesca e hotelaria. “Já há beneficiários a reembolsarem os valores ao banco”, finalizou.

Sobre as perspectivas da instituição, que nos últimos três anos lucrou 32 milhões de kwanzas, pretendem introduzir a componente de “cheque” para o continente asiático, em vez de abrir escritórios que, com apenas 3 funcionários, os custos rondam os 50 mil dólares norte-americanos.

Disse que o “pacote do cheque” teve sucesso na Namíbia e em Portugal, países onde já funciona com normalidade. 

Afirmou que o BCI tem uma margem grande de progressão no país, em função do baixo nível de bancarização, descartando, por isso, a internacionalização.

Relativamente à venda das divisas, informou que o BCI cumpre com as orientações do BNA no âmbito do novo regime cambial, daí que o carregamento das necessidades é feito em função da disponibilidade da oferta do BNA e da capacidade aquisitiva do BCI.

A estrutura accionista do BCI é constituída pelo Estado com 93,60 por cento, Sonangol com 1,13 por cento, Endiama 0,45 por cento, ENSA 1,13%, TCUL 0,45%, Porto de Luanda 1,13%, TAAG 1,13%, Angola Telecom 0,45%, Serval 0,45% e Bolama 0,08%.

O BCI iniciou a actividade a 11 de Julho de 1991.

Assuntos Financiamento  

Leia também
  • 10/10/2018 10:01:07

    China: Ministro tranquiliza credores chineses

    Beijing (Dos enviados especiais) - O ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira, esclareceu, em Beijing, que "parte" dos 2 mil milhões de dólares que serão financiados pelo Governo da China "servirá para a regularização da dívida com os credores chineses".

  • 07/09/2018 19:31:21

    BPC exige das empresas 20% de comparticipação do financiamento do BAD

    Luanda - Empresários ligados a pequenas e médias empresas (PMEs), interessados na linha de financiamento de 325 milhões de dólares norte-americanos do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) devem ter 20% do valor global do investimento.

  • 31/08/2018 10:53:25

    Angola poderá optar mais por financiamento externo multilateral

    Luanda - A modalidade de financiamento multilateral, via Banco Mundial (BM) e Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), poderá constituir-se na principal via que Angola vai optar, futuramente, para obter recursos financeiros, por oferecer melhores condições do que empréstimo directo entre estados.

  • 30/08/2018 17:43:41

    Emissão de Eurobonds sobe para USD 3,5 biliões

    Luanda - Quinhentos milhões de dólares norte-americanos é o valor que foi adicionado recentemente aos três biliões de dólares emitidos, por Angola, em Eurobonds, em Maio deste ano, no mercado internacional.