Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

09 Agosto de 2018 | 03h38 - Actualizado em 09 Agosto de 2018 | 11h43

País regista baixa acentuada na produção de madeira

Luena - A produção de madeira na presente campanha florestal (2017/2018) registou uma queda acentuada situada em 87 porcento, em comparação à campanha do ano anterior, informou o director do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério da Agricultura, Altemiro Diogo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Moxico: Participantes ao 1º conselho Consultivo do MINAGRIF

Foto: Kinda kyungu

De  acordo com o  director do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística, Altemiro Diogo, que apresentava o balanço das actividades do ano Agrícola 2017/2018, no âmbito do 1º Conselho Consultivo do Ministério da Agricultura e Florestas, que decorre desde hoje nesta cidade,  a produção de matéria ficou longe de atingir os 251 mil e 643 metros cúbicos, prognosticada no âmbito do Plano de Desenvolvimento Nacional, atingindo apenas 22.012 metros cúbicos, correspondente a nove porcentos, contra mais de 86 mil metros cúbicos do ano anterior.

O director justificou na ocasião que o curto período de exploração esteve na base da baixa na produção.

Quanto a cereais, o país registou a produção de dois milhões e 250 mil 853 toneladas de milho durante o ano agrícola 2017/2018, tendo aumentado 16 porcento em comparação a época anterior, semeada numa área compreendida a dois milhões e 408 mil e 352 hectares.

Altemiro Diogo informou que a  produção do arroz permaneceu estática, ao registar dois milhões e 250 mil e 853 toneladas durante o período em análise, dos três milhões e sete mil e 110 toneladas que tinha sido constituído como meta.

Em relação à  produção do feijão, informou que o sector da Agricultura registou um decréscimo avaliado em 4,5 porcento, tendo atingido apenas 25 mil e 247 toneladas das 19 mil 326 prognosticadas.

Na fileira de frutas disse o país produziu mais de três milhões de toneladas, com um acréscimo de 2,8 porcento de produção, em comparação ao ano agrícola 2016/2017, com maior destaque para o abacate, ananás, a manga, citrinos e a banana.

De acordo com os dados apresentados, o país colheu ao todo, um milhão 542 e 968 toneladas, numa área de 105 mil e 635 hectares, tendo registado uma baixa de (0,8) porcento comparativamente a época anterior.

Entre os alimentos mais produzido nesta fileira, destacam-se o repolho, a cenoura, o tomate, a cebola e o alho.

Em termos de quantidade de produção, o “Ranking” é liderado pelas províncias do Huambo (produção de cereais e leguminosas oleaginosas), Uíge (produção de Raízes e Tubérculos) e Benguela (produção de Frutas e Hortícolas).

No primeiro dia de trabalho do 1º Conselho Consultivo da Agricultura e Florestas foram abordados vários painéis, entre os quais, o Desafio da Comunicação na Promoção da Agricultura e os Desafios e Oportunidades do Sector Agrário da Província do Moxico.

Leia também
  • 05/02/2019 19:14:15

    Angola quer ajuda francesa para edificar economia forte

    Luanda - O Executivo angolano está a contar com ajuda do Governo francês para a edificação no País de uma economia forte, menos dependente do petróleo, competitiva e capaz de gerar prosperidade.

  • 04/02/2019 12:48:02

    Luanda acolhe Fórum Empresarial França-Angola

    Luanda - Um Fórum Empresarial França-Angola, que contará com a participação de uma comitiva de representantes de grandes empresas francesas do Movimento de Empresários Francês (MEDEF), será realizado na próxima terça-feira (5), em Luanda.

  • 02/02/2019 07:25:27

    Metas do Prodesi passam por financiamento bancário

    Luanda - Os bancos comerciais terão papel fundamental, através da disponibilização do crédito, nos projectos do Programa de Apoio à produção, diversificação das exportações e substituição das importações "PRODESI", argumentaram economistas ouvidos pela Angop.

  • 02/02/2019 06:20:13

    Economistas consideram oportuna revisão do OGE/2019

    Luanda - O economista Lopes Paulo considerou nesta quinta-feira, em Luanda, um imperativo a revisão em baixa do Orçamento Geral do Estado (OGE/2019), com preço referência do barril de petróleo a situar-se entre 50 a 55 dólares.