Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

12 Outubro de 2018 | 17h57 - Actualizado em 12 Outubro de 2018 | 17h57

Agricultura vai ajustar subsídios aos combustíveis em 2019

Luena - Os subsídios aos combustíveis no sector agrícola vão ser ajustados em 2019, para permitir o desenvolvimento da actividade e a redução os custos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Moxico : Participantes ao Fórum Empresarial sobre as Potencialidades e Oportunidades de Negócios

Foto: Kinda kyungu

Moxico : Director Nacional de Agricultura, José Carlos Lopes da Silva Bettencourt

Foto: Kinda kyungu

O objectivo do ajuste dos subsídios aos combustíveis para a classe agrícola é reduzir 20 a 30 porcento dos gastos realizados na execução da actividade.

Essa ideia, segundo o director nacional da Agricultura, José Carlos Lopes da Silva Bettencourt, que discursava no Luena, sobre “A importância da agricultura familiar no Moxico, desenvolvimento agroindustrial e perspectivas”, foi apresentada e discutida em reuniões do seu conselho.

A redução do preço dos combustíveis para os agricultores do país é crucial, na óptica do director, pelo facto de agricultura ser escolhida pelo Governo angolano para alavancar a economia.

A agricultura em Angola continua a registar vários constrangimentos quer na tecnologia, produção, comercialização e políticas, assim como na facilidade de acesso à terra, água, energia, isenções fiscais e inputs para a produção agrícola.

José Carlos Bettencourt apontou soluções para a agricultura, como a construção de fábricas transformadoras, unidades de montagens de máquinas agrícolas, produção de sementes, aumento na capacidade de armazenamento e de frio, melhoria das vias de comunicação, criação de centros de comercialização, feira e mercados agrícolas.

Em relação à pesca continental e aquicultura, o director do Instituto de Desenvolvimento da Pesca Artesanal e Aquicultura, Nkossi Luyeye, que falou sobre o tema, explicou  constituem soluções práticas ao desafio de fornecer mais de 40 milhões de toneladas adicionais de peixe por ano, necessárias para satisfazer a procura global em 2030.

No entender do gestor, no continente africano os recursos pesqueiros jogam um papel importante na segurança alimentar, nutricional, no combate à fome e à redução da pobreza, por isso defendeu investimentos com vista a se atingir a meta .

Ainda sobre o domínio da pesca, o administrador municipal do Luacano, Rodrigues Chipango Sacuaha, indicou a necessidade de o ministério criar políticas para preservação dos peixes dos rios, à semelhança do mar, para a preservar espécies em extinção devido a pesca descontrolada.

O Fórum Empresarial, que termina neste sábado, na Casa da Cultura da cidade do Luena, aborda em vários painéis,  as potencialidades e áreas de investimentos da província do Moxico.

Leia também
  • 12/10/2018 16:11:37

    Angola conta com ajuda do Cisna para crescimento de seguros

    Luanda - Angola, através da Agência de Regularização e Supervisão de Seguros de Angola (Arseg), está a contar com o apoio dos membros do Comité de Seguros, Valores Mobiliários e Instituições Financeiras Não-Bancárias da África-Austral (CISNA), para aumentar a taxa de penetração dos seguros e fundos de pensões na economia actualmente fixada em um por cento.

  • 12/10/2018 12:06:08

    Moxico tem mais de 140 mil famílias na campanha 2018/2019

    Luena - Cento e quarenta e um mil e 800 famílias camponesas da província do Moxico estarão envolvidas na campanha agrícola 2018/2019, disse hoje, sexta - feira, no Luena, o chefe do departamento provincial do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), Eduardo Vieira.

  • 12/10/2018 11:55:20

    Governo promove imagem financeira de Angola em Bali

    Luanda - O Governo angolano está a promover, desde terça-feira (09), a imagem e reputação financeira do País e a actualizar os mercados, nas reuniões anuais do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Grupo Banco Mundial (GBM), que decorrem em Bali (Indonésia).