Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

27 Maio de 2019 | 09h56 - Actualizado em 27 Maio de 2019 | 09h55

Empresa pública assume venda de água nas girafas

Luanda - A Empresa Pública de Água de Luanda (EPAL) deverá assumir totalmente o controlo da gestão dos pontos de venda de água (girafas) na capital angolana, a partir do início de 2020, anunciou uma fonte próxima ao processo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Girafa da Epal no Kikuxi, em Viana, abastecendo água aos camiões cisternas

Foto: Pedro Parente

De acordo com a fonte, a empresa está já a assumir faseadamente a gestão e  o controlo  das 13 girafas de abastecimento de água aos camiões cisternas, anteriormente entregues a entidades privadas.

As girafas ou pontos de abastecimento de água tinham sido entregues a entidades privadas, com base em contratos assinados há nove anos, segundo disse a fonte, que preferiu o anonimato.

A mesma fonte precisou que estão já ser geridas pela EPAL três dessas girafas, que tinham sido entregues a privados, alegadamente devido à “vandalização” das condutas adutoras por parte dos garimpeiros do líquido.

As girafas têm auxiliado na distribuição da água potável na cidade, uma vez que não há capacidade suficiente da rede em fazer chegar água a todos domicílios.

A EPAL, segundo a fonte, irá também trabalhar num regulamento do controlo dos preços da água, a fim de evitar a especulação.

Os preços de revenda estão na ordem dos 1.500 kwanzas por metro cúbico, contra apenas 258 kwanzas por metro cúbico praticados pela EPAL, nos termos do Decreto Executivo 230/18, de 12 de Junho, sobre o Novo Plano Tarifário de Água Potável.

Assim, a EPAL e o Governo Provincial de Luanda trabalharão com outras entidades na definição das melhores formas para se pôr cobro às práticas especulativas por parte dos revendedores de água.

Em Luanda, a EPAL tem uma capacidade instalada de pouco mais de 500 mil metros cúbicos de água/dia, quando as necessidades estão acima de um milhão e 200 mil metros cúbicos.

“Esse assinalável défice poderá ser mitigado com a execução de novos  projectos que se perspectivam iniciarem-se ainda no decorrer deste ano”, disse a fonte.

Na perspectiva da EPAL, o incremento na produção de água permitirá aumentar a capacidade de distribuição, com reflexos na redução do garimpo e menos necessidade de se fazer recurso a girafas para abastecimento as populações carenciadas.

Assuntos Água  

Leia também
  • 24/05/2019 18:32:19

    EPAL deve recuperar credibilidade e melhorar serviços

    Luanda - O ministro de Energia e Águas, João Baptista Borges, declarou nesta sexta-feira, em Luanda, ser essencial a recuperação da credibilidade dos serviços da Empresa Pública de Água de Luanda (EPAL) pela sua especificidade, melhorando a qualidade da água.

  • 08/04/2019 19:55:25

    Direcção da EPAL aberta à negociação, mas mantém posição

    Luanda - A direcção da Empresa Provincial de Águas de Luanda (EPAL) continua aberta à negociação com a comissão sindical afecta à Central Geral Sindicatos Independentes de Angola (CGSILA), que declarou há sete dias uma greve por tempo indeterminado.

  • 06/04/2019 14:09:19

    Energia e Águas faz deslocar meios para combate à seca no Cunene

    Luanda - Uma equipa do Núcleo de Águas Subterrâneas (NAS), do Ministério da Energia e Águas (Minea), deslocou-se neste sábado ao Cunene, para iniciar a abertura de novos furos de água e a reabilitação dos existentes, no âmbito da luta contra seca que assola aquela província.