Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

24 Outubro de 2020 | 12h09 - Actualizado em 24 Outubro de 2020 | 12h06

Cuanza Sul reforça quadro de técnicos em gestão agrícola familiar

Gabela - A província do Cuanza Sul vê reforçado o seu quadro de técnicos em gestão agrícola familiar, com pelo menos mais 40 especialistas formados pelo Projecto de Desenvolvimento da Agricultura e Comercialização (SAMAP).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Cuanza Sul: Augusto Ngumbi, coordenador geral do SAMAP

Foto: Joaquim Tomás

Os técnicos, primeiros formadores mestres de escolas de campo, terminaram sexta-feira, na Gabela, a respectiva formação em gestão agrícola familiar.

No quadro do projecto, estão criadas mais de 20 escolas de campo que vão apoiar 15 famílias de agricultores. A previsão é de criação de 400 escolas, a serem implementadas com o apoio dos formadores nos municípios do Amboim, Conda, Cassongue, Cela e Quibala, até 2025.

No acto, o responsável do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) na região Sul, Jorge Hotel, afirmou que “a formação dos primeiros 40 mestres é fruto de um convénio existente entre a organização e o projecto SAMAP”.

Sublinhou que o convénio visa a capacitação técnica, com a componente Escola De Campo de Agricultores (ECA).

Já o Coordenador geral do projecto SAMAP, Augusto Guimbi, destacou a importância da formação dos primeiros formadores mestres, com conteúdos que visam ao reforço das competências técnicas organizacionais e de gestão dos agricultores familiares e o aumento dos rendimentos.

“Este não é o fim do processo mas uma etapa, porque sobre vós agora recai a responsabilidade de transmitir os conhecimentos adquiridos”, frisou o coordenador.

O SAMAP, implementado no Cuanza Sul e na Huíla, abrange 33.544 mil famílias agrícolas com reforço de competências em escolas de campo e que exploram dois hectares de terras, incluindo 50 por cento de mulheres, 30 de jovens e mil pequenos agricultores.

O projecto conta com um financiamento de 28 milhões e 800 mil dólares americanos do Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola (FIDA), oito milhões 200 mil dólares do Governo de Angola.

Lançado em 2018, o projecto tem como objectivo o aumento da produtividade, a produção e comercialização dos produtos resultantes da agricultura familiar, fundamentalmente, as culturas como milho, feijão, batata rena, cenoura, tomate e repolho.

O ano transacto o projecto distribuiu no Cuanza Sul, entre outras, 18 toneladas de milho, 10 toneladas de feijão, 20 toneladas de batata-rena, quatro mil enxadas, 200 toneladas de fertilizantes, cinco motobombas e 15 pulverizadores.

As sementes, os adubos e instrumentos de produção foram distribuídas nos municípios da Conda, Cassongue, Cela, Amboim e Quibala.

Três  mil famílias beneficiárias colheram 298 mil 754,50 toneladas de mandioca das quais 50 por cento foram comercializadas, o milho 51 mil 110,80 toneladas e comercializadas 40 por cento, a batata rena 73 mil 740,50 produzidas com 90 por cento comercializadas.

As famílias camponesas produziram 13 mil 763,10 toneladas de feijão comum e comercializaram 70 por cento, das 32 mil 549 toneladas comercializaram 85 por cento, já o abacaxi das 25 mil 228 produzidas venderam 95.5 por cento, ao passo que o repolho teve uma produção de 39 mil 757 toneladas e vendidas 75 por cento.

Leia também