Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

11 Janeiro de 2018 | 14h34 - Actualizado em 11 Janeiro de 2018 | 14h34

Mais de 100 mil crianças aprendem língua Nganguela

Menongue - Cento e cinquenta mil alunos do ensino da 1ª a 6ª classe foram contemplados no processo de generalização do ensino da língua Nganguela desde o ano lectivo 2012, informou quarta-feira, o director da Educação, Miguel Canhime.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Miguel Canhime, Director da Educação

Foto: Armando Morais

Avançou que o Cuando Cubango obteve, até o ano 2017, resultados positivos, sobretudo no interior dos municípios, pelo contacto permanente com a língua, ao contrário com as sedes municipais, sobretudo Menongue.

Assegurou que esta dificuldade foi mais notória, em Menongue, capital do Cuando Cubango, nos primeiros anos do processo.

“Em 2017 generalizamos o ensino da língua Nganguela porque atingimos as sextas classes a nível da província e estamos à espera de um outro projecto do governo angolano, através do Ministério da Educação, se se pode avançar para o I ciclo e com quê conteúdo”, precisou.

O director afirmou que na questão da valorização, ensino e generalização do Nganguela o Cuando Cubango alcançou sucesso, sobretudo na sua implementação desde a 1ª,2ª,3ª,4ª,5ª e 6ª classe.

Ainda assim, o responsável apontou como dificuldades o facto de os professores que estão no ensino primário que não dominarem a língua, daí que alguns o façam em outras, para facilitar o processo.

Lembrou que o Cuando Cubango está simplesmente indicada para leccionar Nganguela, assim como as outras regiões onde se ensina o Umbundu, Kimbundu, entre outras línguas.

“Todos os professores do ensino primário dominam a língua Nganguela. Para aqueles casos de haver alguém com dificuldades na sua turma, chama-se um docente de outra turma e aglutina-se para leccionar as duas turmas", explicou.

Assegurou que os professores têm, a cada ano lectivo, beneficiado de acções de refrescamento sobre os métodos de ensino do Nganguela, facto que tem tornado possível a obtenção de sucessos no processo em causa.

O gestor precisou que em cada ano lectivo, os professores da língua Nganguela, francesa, inglesa, são refrescados por parte, assim como para outras disciplinas, onde as Zonas de Influências Pedagógica assumem este papel de actualização dos docentes por áreas.

Leia também
  • 08/11/2018 17:08:38

    Academia regula estratégias de intervenção de sectores produtivos

    Luena - As reflexões e resultados produzidos pelas actividades académicas promovidas pelos estabelecimentos de ensino superior no Moxico podem contribuir na regulação das estratégias de intervenção nos diversos sectores produtivos e institucionais da vida social dos habitantes locais, o director geral do Instituto Superior Politécnico Privado Walinga (ISPPW) do Moxico, Albano Freitas Sapalo.

  • 08/11/2018 17:02:19

    Huíla acolhe 1º Congresso Internacional de Educação Primária

    Lubango - A província da Huíla acolhe de 21 a 23 de Novembro do ano em curso, na cidade do Lubango, o 1º Congresso Internacional de Educação Primaria sob o signo Repensar a Escola Primaria: Desafio da Globalização, numa iniciativa do Instituto Superior Politécnico Independente (ISPI).

  • 08/11/2018 12:20:40

    Finalistas do Liceu do Tuku expõem produtos diversos

    Mbanza Kongo - Uma exposição de produtos diversos feitos de material reciclado como papelão, latas, bordão e cartolina por 127 finalistas do Liceu do Tuku, município de Mbanza Kongo, província do Zaire, está desde terça-feira, patente nesta instituição do II ciclo de ensino secundário.

  • 03/11/2018 15:29:15

    Cooperação francesa realiza tournê "Eferveciências" em Angola

    Luanda - Uma tournê de conferências-espectáculos académica realiza-se de 6 a 9 de Novembro, em quatro províncias do País, no âmbito do inovador projecto "Eferveciências" (Effervesciences), a ser ministrada pelo pesquisador francês Richard Eastes, numa iniciativa da cooperação francesa em Angola, soube hoje (sábado) a Angop.