Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Educação

12 Outubro de 2018 | 11h19 - Actualizado em 12 Outubro de 2018 | 11h19

Superlotação de alunos em salas de aula preocupa professores em Luvaka

Mbanza Kongo - A lotação excessiva de alunos em salas de aula nas escolas primárias da sede comunal de Luvaka, município do Cuimba, província do Zaire, está a preocupar o corpo docente local que diz encontrar dificuldades para a transmissão de conhecimentos a mais de 100 alunos por turma.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Alunos em sala de aula (arquivo)

Foto: Pedro Parente

Abordados hoje pela Angop, foram unânimes em afirmar que a situação deve-se a insuficiência de escolas (três estabelecimentos) que a localidade dispõe onde 800 alunos de ensino primário estudam em apenas seis salas de aula.

Pedro Casimiro, professor da 3ª classe, precisou que a reforma educativa, ainda em curso no país, estabelece que uma sala de aula deve possuir no máximo até 45 alunos.

Reconheceu que a superlotação que se regista nas instituições de ensino primário na região, para além de violar as regras pedagógicas, dificulta também os alunos na absorção das matérias ministradas, facto que concorre para o baixo rendimento escolar.

“Há de facto um grande empenho dos professores e alunos, mas as condições de trabalho não permitem fazer muito mais”, lamentou.

Raimundo Camosi, também professor, que atende a 6ª classe, disse ser humanamente impossível esperar melhores resultados com a situação prevalecente, frisando que o excesso de alunos em salas de aula na sede comunal compromete os esforços da melhoria do processo de ensino e aprendizagem.

“É cansativo e insuportável um professor transmitir conhecimentos a 120 ou 150 alunos numa única sala”, confessou.

O administrador comunal do Luvaka, Pedro Lukomana, disse que a situação é do conhecimento das autoridades administrativas locais que tudo fazem para reverter o quadro nos próximos tempos.

O gestor queixou-se também da falta de uma escola do Iº ciclo de ensino secundário na localidade, facto que tem obrigado os alunos que terminam o ensino primário a interromperem a sua formação.

Situada a 30 quilómetros a Leste da sede municipal do Cuimba, a comuna de Luvaka tem uma população estimada em cinco mil e 92 habitantes.

Leia também
  • 08/11/2018 17:08:38

    Academia regula estratégias de intervenção de sectores produtivos

    Luena - As reflexões e resultados produzidos pelas actividades académicas promovidas pelos estabelecimentos de ensino superior no Moxico podem contribuir na regulação das estratégias de intervenção nos diversos sectores produtivos e institucionais da vida social dos habitantes locais, o director geral do Instituto Superior Politécnico Privado Walinga (ISPPW) do Moxico, Albano Freitas Sapalo.

  • 08/11/2018 17:02:19

    Huíla acolhe 1º Congresso Internacional de Educação Primária

    Lubango - A província da Huíla acolhe de 21 a 23 de Novembro do ano em curso, na cidade do Lubango, o 1º Congresso Internacional de Educação Primaria sob o signo Repensar a Escola Primaria: Desafio da Globalização, numa iniciativa do Instituto Superior Politécnico Independente (ISPI).

  • 08/11/2018 12:20:40

    Finalistas do Liceu do Tuku expõem produtos diversos

    Mbanza Kongo - Uma exposição de produtos diversos feitos de material reciclado como papelão, latas, bordão e cartolina por 127 finalistas do Liceu do Tuku, município de Mbanza Kongo, província do Zaire, está desde terça-feira, patente nesta instituição do II ciclo de ensino secundário.

  • 03/11/2018 15:29:15

    Cooperação francesa realiza tournê "Eferveciências" em Angola

    Luanda - Uma tournê de conferências-espectáculos académica realiza-se de 6 a 9 de Novembro, em quatro províncias do País, no âmbito do inovador projecto "Eferveciências" (Effervesciences), a ser ministrada pelo pesquisador francês Richard Eastes, numa iniciativa da cooperação francesa em Angola, soube hoje (sábado) a Angop.