Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

17 Maio de 2018 | 11h40 - Actualizado em 17 Maio de 2018 | 11h40

EUA: Promotor da trama russa já sabe que Trump não pode ser acusado, diz advogado

Washington - O promotor especial para a trama russa, Robert Mueller, reconheceu os advogados do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que não pode acusar o republicano, revelou hoje um destes advogados e ex-prefeito de Nova Iorque, Rudy Giuliani.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Não podem acusar. Pelo menos eles reconheceram após alguma discussão. Eles reconheceram", afirmou
Giuliani, à emissora de televisão  "CNN".

O polémico advogado lembrou que são os relatórios do Departamento de Justiça dos EUA que impedem acusar criminalmente um presidente: "você precisa fazer um impeachment" através do Congresso, disse Giuliani, como única opção.

"Já teve algum tempo onde havia algum tipo de discussão sobre isto, mas reconheceram verbalmente que não podem violar as normas do Departamento de Justiça", disse Giuliani.

Como constatou Giuliani para a "CNN", a posição de Mueller e os seus promotores segue as directrizes oficiais e conhecidas do Departamento de Justiça desde o governo de Richard Nixon, reafirmadas durante a presidência de Bill Clinton.

No entanto, a emissora lembrou que tais directrizes nunca foram questionadas na Justiça.

De facto, a imprensa americana especulou muito sobre as intenções de Mueller em caso de encontrar provas incriminatórias contra Trump, mas continua a  ser uma incógnita.

Giuliani, no entanto, insistiu que tudo o que Mueller pode fazer é redigir um relatório que contenha recomendações dirigidas ao Congresso, e que eventualmente este decida abrir um julgamento político contra Trump.

Hoje completa um ano da nomeação de Mueller como promotor especial para investigar a suposta ingerência
da Rússia nas eleições presidenciais de 2016 e as possíveis ligações entre a campanha de Trump e funcionários russos.

Assuntos Justiça  

Leia também