Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

10 Agosto de 2018 | 12h46 - Actualizado em 10 Agosto de 2018 | 12h53

Rússia vê novas sanções dos EUA como 'declaração de guerra económica'

Moscovo - A Rússia vai considerar como uma "declaração de guerra económica" a adopção de uma possível segunda rodada das sanções americanas e reagirá com todos os meios à sua disposição - advertiu o primeiro-ministro russo, Dmitri Medvedev, nesta sexta-feira (10).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Arte Bandeiras da Rússia e EUA

Foto: Arte Osvaldo Pedro

Os Estados Unidos anunciaram, na quinta-feira, novas sanções económicas contra a Rússia, apontando Moscovo como responsável pelo envenenamento no Reino Unido de um ex-espião russo, por meio do agente tóxico Novichok. Nesse dia, Washington mencionou a possibilidade de uma segunda etapa de sanções "draconianas" no futuro.

"Se continuarem coisas como a proibição desse, ou daquele banco, ou o uso dessa, ou daquela moeda, teremos de chamar as coisas por seu nome: é uma declaração de guerra económica", declarou Medvedev, citado pela agência de notícias Interfax.

"E teremos que responder totalmente a esta guerra. Com métodos económicos, métodos políticos e, se for necessário, com outros métodos", acrescentou o primeiro-ministro russo.

"Nossos amigos americanos têm que entender isso", acrescentou.

Na quinta-feira, o Kremlin denunciou como "inadmissíveis", "hostis" e "ilegais" as novas sanções americanas, que limitam a exportação de alguns produtos tecnológicos, e prometeu uma resposta.

A possível segunda etapa das sanções pode ir até a proibição de aterrissagem dos aviões das companhias aéreas russas em aeroportos americanos, ou a suspensão de relações diplomáticas entre os dois países.

O jornal russo "Kommersant" publicou, na quarta-feira, o que apresentou como um projecto de sanções americanas que exige, em particular, uma investigação sobre a suposta fortuna pessoal do presidente Vladimir Putin e proíbe os cidadãos americanos de comprarem dívida soberana russa.

Segundo o "Kommersant", o plano incluiria sanções contra os grandes bancos públicos russos, como Sberbank, VTB e Gazprombank, e o sector dos hidrocarbonetos, essencial para a economia russa.

A Rússia está submetida a sanções ocidentais cada vez mais severas desde a anexação da Crimeia em 2014, as quais contribuíram, somadas à queda dos preços dos hidrocarbonetos, para provocar dois anos de recessão da qual saiu no final de 2016.

Em meio às acusações de ingerência russa na campanha eleitoral de 2016, os Estados Unidos não pararam de reforçar as suas sanções nos últimos anos, apesar das promessas de reconciliação de Donald Trump.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 05/02/2019 14:53:35

    Rússia quer desenvolver novo míssil antes de 2021

    Moscovo - A Rússia planeia desenvolver até 2021 uma versão terrestre dos mísseis usados até agora pela Marinha russa, após Washington e Moscovo suspenderem a sua participação no tratado de armas nucleares de alcance intermediário, anunciou hoje o ministro da Defesa, Sergei Shoigu.

  • 05/02/2019 13:42:04

    Grupo de Lima compromete-se em não considerar opção militar na Venezuela

    Ottawa - O Grupo de Lima, com a ausência do México, que se desvinculou da iniciativa após a chegada ao poder do presidente Andrés Manuel López Obrador, disse que vai reiterar o seu apoio a um processo de transição pacífica através de meios políticos e diplomáticos sem o uso da força.

  • 05/02/2019 13:13:31

    Merkel quer que empresas chinesas não partilhem informações com Estado

    Tóquio - A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu hoje a Pequim algumas salvaguardas para garantir que as empresas chinesas não partilhem informações com o Governo Central, numa altura de grande desconfiança ocidental em relação aos comportamentos da gigante Huawei, noticiou a Lusa.

  • 04/02/2019 19:24:46

    França: Diplomacia francesa diz que foi alcançado compromisso à africana na RDC

    Paris - O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, disse hoje que nas eleições na República Democrática do Congo (RDC) foi alcançado ?um compromisso à africana?, depois de anteriormente ter manifestado dúvidas sobre a vitória de Felix Tshisekedi.