Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

01 Fevereiro de 2019 | 23h58 - Actualizado em 01 Fevereiro de 2019 | 23h58

Brasil: Esquerda se divide e disputa liderança da minoria na Câmara

Brasília - Os principais partidos de esquerda se dividiram na eleição à presidência da Câmara, nesta sexta-feira, e agora disputam para influenciar a escolha do líder da minoria - que tem direito a discursar em plenário -, evitando o isolamento completo na oposição ao governo de Jair Bolsonaro.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Na principal ofensiva, o PT disputou com PDT e PC do B para atrair o PSB e formar um bloco simbólico de esquerda -sem candidato único para o comando da Casa-, ao lado de PSOL e Rede.

O partido do ex-governador Eduardo Campos preferiu fechar com os petistas, com a promessa de revezamento do posto de líder da minoria nos próximos dois anos. O acordo, porém, desencadeou reacção imediata da sigla dos irmãos Ciro e Cid Gomes e a contra ofensiva do PT, que promete até mesmo levar o assunto a tribunal, se necessário.

Segundo o regimento interno da Câmara, a prerrogativa de indicação para o posto de líder da minoria é do maior partido ou bloco de oposição --o grupo capitaneado pelos petistas conta com 97 deputados.

Na manhã desta sexta, a cúpula do PT avaliava que conseguira garantir espaço legislativo e uma vitória política sobre o PDT ao fechar com o PSB.

"A dose de generosidade do PT com o PSB e esses partidos [PSOL e Rede], cedendo espaço na Casa, era necessária para compor um novo campo político", afirmou José Guimarães (PT-CE).

No início da tarde, porém, os petistas sofreram um revés. PDT e PC do B, que estavam na base de apoio para a reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ), fecharam um bloco com partidos do centrão que chegou a 105 nomes.

Segundo o presidente da Câmara, o grupo foi formado "apenas para a eleição" da Mesa Directora, ou seja, dividindo as vagas ligadas a ele em dois blocos. "Não vai entrar neste assunto [de liderança da minoria], que é de responsabilidade dos partidos de oposição", completou Maia.

O argumento dos parlamentares do PT é que, para pleitear a liderança da minoria, o bloco tem que ser formado somente por partidos de oposição --e o grupo de PDT e PC do B tem siglas que apoiam o governo.

Além disso, alegam que Maia manobrou ao permitir que partidos como Patriota e Podemos incorporassem siglas cujas fusões ainda não foram aprovadas pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

A acção de Maia, chancelada na quinta-feira (31), aumentou o número de deputados do bloco para que este ultrapassasse o dos petistas. Sem a decisão do presidente, tomada nesta quinta (31), o bloco pedetista cairia para 94 deputados, três a menos que o do PT.

Dirigentes do PT e PSOL dizem que, caso Maia não reverta a decisão, irão ao STF (Supremo Tribunal Federal) para mudar o cenário. "Ele não pode agir como o TSE", afirmou o líder do PSOL, Ivan Valente (SP). 

No arco de apoio a Maia, PDT e PC do B não quiseram entrar no bloco simbólico de esquerda e articularam nos bastidores a outra formação. 

Dirigentes do PC do B argumentam que não é hora de formar blocos simbólicos, mas garantir espaços na estrutura da Casa para exercer a oposição de maneira mais eficiente.

Publicamente, PDT e PC do B declararam voto em Maia, enquanto PT, PSOL e Rede ficaram com Marcelo Freixo (PSOL-RJ). O PSB apoiou o nome do partido, JHC (AL).

Reservadamente, no entanto, diversos parlamentares do PT e PSB admitiam voto em Maia, visto que a votação é secreta.

Apesar de divididos na disputa pela presidência e cargos da Câmara, o discurso da oposição segue uníssono quanto à forma de enfrentar Bolsonaro.

Integrantes dos partidos contrários ao actual governo afirmam que é preciso manter a retórica a favor da democracia e agir contra medidas de Bolsonaro que, segundo eles, tiram direitos da população, como a reforma da Previdência.

Sob orientação de Lula, preso desde Abril em Curitiba, o PT no Congresso vai explorar ainda o desastre de Brumadinho (MG) e o caso de Fabrício Queiroz, motorista e ex-assessor de Fabrício Bolsonaro (PSL-RJ), para desgastar o governo.

Assuntos Parlamento  

Leia também
  • 24/01/2019 09:32:59

    Presidente do Parlamento Europeu reconhece "legitimidade" de Guaidó

    Bruxelas - O presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, reconheceu hoje "legitimidade democrática" ao opositor venezuelano Juan Guaidó, que se autoproclamou Presidente interino do país, denunciando os "abusos" de Nicolás Maduro que fizeram aquele povo "passar fome e sofrer".

  • 24/01/2019 09:05:17

    União Europeia apoia plenamente Assembleia Nacional

    Bruxelas: A União Europeia (UE) "apoia plenamente" a Assembleia Nacional da Venezuela, cujo líder se autoproclamou quarta-feira Presidente interino do país, e pede a realização de "eleições livres e credíveis", declarou a Alta Representante para a Política Externa.

  • 24/01/2019 08:57:53

    Parlamento russo critica Trump por reconhecer Guaidó como presidente

    Moscovo - Vários membros do parlamento russo criticaram hoje a decisão do Presidente dos Estados Unidos em reconhecer Juan Guaidó como Presidente interino da Venezuela.