Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

05 Fevereiro de 2019 | 13h42 - Actualizado em 05 Fevereiro de 2019 | 13h41

Grupo de Lima compromete-se em não considerar opção militar na Venezuela

Ottawa - O Grupo de Lima, com a ausência do México, que se desvinculou da iniciativa após a chegada ao poder do presidente Andrés Manuel López Obrador, disse que vai reiterar o seu apoio a um processo de transição pacífica através de meios políticos e diplomáticos sem o uso da força.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Esta afirmação foi feita na reunião de emergência do grupo de Lima que terminou segunda-feira em Ottawa, Canadá.

A reunião de emergência do Grupo de Lima terminou com o compromisso dos seus membros em não considerar a opção militar para forçar a saída de Nicolás Maduro da presidência da Venezuela e um pedido para outros países que aumentem a pressão económica sobre o seu governo.

O Grupo de Lima também decidiu que a partir da próxima reunião, que será realizada "em breve" na Colômbia, integrará a Venezuela com a incorporação de um representante do autoproclamado presidente interino venezuelano, Juan Guaidó, uma função que será assumida pelo político e advogado Julio Borges.

Durante a entrevista colectiva, a anfitriã da reunião, a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, repetiu que nem o Grupo de Lima, nem o seu próprio governo contemplam a opção militar.

"O Canadá exclui a opção militar, a intervenção militar", afirmou, de forma taxativa, a chanceler canadiana, que se transformou num dos principais motores da campanha internacional contra o governo de Maduro.

O ministro das Relações Exteriores do Peru, Néstor Popolizio, que ao lado de Chrystia Freeland participou da conferência de imprensa, falou de forma semelhante a colega canadiana.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 05/02/2019 14:53:35

    Rússia quer desenvolver novo míssil antes de 2021

    Moscovo - A Rússia planeia desenvolver até 2021 uma versão terrestre dos mísseis usados até agora pela Marinha russa, após Washington e Moscovo suspenderem a sua participação no tratado de armas nucleares de alcance intermediário, anunciou hoje o ministro da Defesa, Sergei Shoigu.

  • 05/02/2019 13:13:31

    Merkel quer que empresas chinesas não partilharem em informações com Estado

    Tóquio - A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu hoje a Pequim algumas salvaguardas para garantir que as empresas chinesas não partilhem informações com o Governo Central, numa altura de grande desconfiança ocidental em relação aos comportamentos da gigante Huaweim, noticiou a Lusa.

  • 04/02/2019 19:24:46

    França: Diplomacia francesa diz que foi alcançado compromisso à africana na RDC

    Paris - O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, disse hoje que nas eleições na República Democrática do Congo (RDC) foi alcançado ?um compromisso à africana?, depois de anteriormente ter manifestado dúvidas sobre a vitória de Felix Tshisekedi.