Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

05 Fevereiro de 2019 | 13h13 - Actualizado em 05 Fevereiro de 2019 | 18h25

Merkel quer que empresas chinesas não partilhem informações com Estado

Tóquio - A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu hoje a Pequim algumas salvaguardas para garantir que as empresas chinesas não partilhem informações com o Governo Central, numa altura de grande desconfiança ocidental em relação aos comportamentos da gigante Huawei, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ângela Merkel, Chanceler alemã (arquivo)

Foto: portal.angop.ao

Há um "grande debate" na Alemanha sobre o uso de equipamentos da Huawei, disse Merkel sobre a gigante de telecomunicações da China.

A Huawei, fundada por um ex-engenheiro do exército chinês, Ren Zhengfei, é suspeita de estar a provocar problemas de segurança nacional em vários países, através do seu ‘software’ de rede 5G que está a instalar em telemóveis da marca.

Angela Merkel, que falava aos alunos da Universidade de Keio, em Tóquio, onde se encontra desde segunda-feira numa visita oficial ao país, sublinhou que a Alemanha tem adoptado uma abordagem cautelosa até agora em relação à Huawei, mostrando algum cepticismo diante da ideia de um boicote ao gigante chinês, já que, na opinião de Berlim, faltam evidências concretas de abusos por parte da empresa.

Pequim "deve garantir que a empresa não transmite todos os dados ao estado chinês e (deve garantir) que existam salvaguardas", disse.

A Austrália e a Nova Zelândia baniram as redes de Quinta Geração (5G) da Huawei por motivos de segurança nacional, após os Estados Unidos e Taiwan, que mantém restrições mais amplas à empresa, terem adoptado a mesma medida.

Também o Japão, cuja agência para a segurança no ciberespaço classificou a firma chinesa como de "alto risco", baniu as compras à Huawei por departamentos governamentais.

Durante a recente visita a Lisboa do Presidente chinês, Xi Jinping, foi assinado entre a Altice e a Huawei um acordo para o desenvolvimento da tecnologia 5G em Portugal, apesar de, também a União Europeia ter assumido "estar preocupada" com a empresa e com outras tecnológicas chinesas, devido aos riscos que estas colocam em termos de segurança.

As redes sem fio 5G destinam-se a conectar carros autónomos, fábricas automatizadas, equipamento médico e centrais eléctricas, pelo que vários governos passaram a olhar para as redes de telecomunicações como activos estratégicos para a segurança nacional.

"O assunto continuará a ser debatido, e isso também faz parte das nossas discussões com os Estados Unidos", disse Merkel.

Na semana passada, o Departamento de Justiça dos EUA apresentou uma queixa criminal contra a Huawei, por violar sanções contra o Irão e por roubar segredos comerciais de uma empresa rival norte-americana, no âmbito de uma investigação que já levou o governo dos Estados Unidos a pedir ao Canadá a detenção da directora financeira da empresa (e filha do fundador), Meng Wanzhou, quando esta transitou num aeroporto canadiano.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 05/02/2019 14:53:35

    Rússia quer desenvolver novo míssil antes de 2021

    Moscovo - A Rússia planeia desenvolver até 2021 uma versão terrestre dos mísseis usados até agora pela Marinha russa, após Washington e Moscovo suspenderem a sua participação no tratado de armas nucleares de alcance intermediário, anunciou hoje o ministro da Defesa, Sergei Shoigu.

  • 05/02/2019 13:42:04

    Grupo de Lima compromete-se em não considerar opção militar na Venezuela

    Ottawa - O Grupo de Lima, com a ausência do México, que se desvinculou da iniciativa após a chegada ao poder do presidente Andrés Manuel López Obrador, disse que vai reiterar o seu apoio a um processo de transição pacífica através de meios políticos e diplomáticos sem o uso da força.

  • 04/02/2019 19:24:46

    França: Diplomacia francesa diz que foi alcançado compromisso à africana na RDC

    Paris - O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Yves Le Drian, disse hoje que nas eleições na República Democrática do Congo (RDC) foi alcançado ?um compromisso à africana?, depois de anteriormente ter manifestado dúvidas sobre a vitória de Felix Tshisekedi.