Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

05 Fevereiro de 2019 | 14h53 - Actualizado em 05 Fevereiro de 2019 | 14h53

Rússia quer desenvolver novo míssil antes de 2021

Moscovo - A Rússia planeia desenvolver até 2021 uma versão terrestre dos mísseis usados até agora pela Marinha russa, após Washington e Moscovo suspenderem a sua participação no tratado de armas nucleares de alcance intermediário, anunciou hoje o ministro da Defesa, Sergei Shoigu.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

"Durante os anos de 2019-2020 será necessário desenvolver uma versão terrestre do sistema Kalibr usado na Síria", declarou Shoigu em comunicado das Forças Armadas russas.

"Durante o mesmo período, teremos que criar um sistema de mísseis terrestres de longo alcance", diz ainda o comunicado.

Shoigu explicou essa decisão devido à suspensão dos Estados Unidos, no último dia 2, da sua participação no tratado INF (Forças Nucleares de Alcance Intermediário), em vigor desde 1987 e que proibia mísseis terrestres estratégicos com alcance entre 500 e 5.500 quilómetros.

A Rússia usou mísseis Kalibr pela primeira vez em 2015, em operações contra rebeldes sírios.

No total, 26 mísseis foram lançados de um navio de cruzeiro localizado no Mar Cáspio, a 1.500 quilómetros da zona de impacto.

A sua potência corresponde ao tipo de armas proibidas pelo tratado INF, e que só se aplica a mísseis terrestres.

Segundo Shoigu, os Estados Unidos "trabalham activamente no desenvolvimento de um míssil terrestre com um alcance de mais de 500 quilómetros", razão pela qual "o presidente da Rússia deu a ordem ao Ministério da Defesa para tomar medidas recíprocas".

No sábado, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, anunciou que os Estados Unidos estavam a suspender as "suas obrigações sob o tratado INF”.

Por sua vez, o presidente russo, Vladimir Putin, reagiu imediatamente ao anunciar que Moscovo também suspenderia a sua participação no acordo e que não promoveria novas negociações de desarmamento com os Estados Unidos "até que tenham amadurecido".

Assuntos Diplomacia  

Leia também