Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

08 Novembro de 2019 | 15h25 - Actualizado em 08 Novembro de 2019 | 15h25

China perdeu 48 milionários em 2018

Xangai - O número de milionários chineses caiu para 325 no ano passado, menos 48 do que em 2017, segundo um relatório conjunto da UBS e do PwC Billionaire Insights Report 2019, noticiou hoje a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da China

Foto: Divulgação

Também a Hurun Report Inc, unidade de investigação sediada em Xangai e considerada a Forbes chinesa, revelou no início do ano que um número recorde de chineses tinha perdido aquele estatuto.

O presidente do grupo Fosun, Guo Guangchang, que detém várias empresas em Portugal, caiu 10 lugares, para a 45.ª posição, detalhou a Hurun.

A fortuna pessoal de Guo, 52 anos, fixou-se este ano nos 57 mil milhões de yuan.

Cerca de 103 chineses saíram da lista de bilionários da UBS / PwC, em 2018, mas 56 novos nomes foram adicionados. Um milionário chinês mudou de nacionalidade, no ano passado, detalhou o relatório.

O património líquido total estimado do grupo também diminuiu 12,3%, no mesmo período, a maior queda entre os mais ricos a nível global.

Uma depreciação de cerca de 6% da moeda chinesa, o yuan, face ao dólar norte-americano, contribuiu em cerca de metade para a queda.

Também a bolsa de Xangai, principal praça financeira da China, contribuiu para a queda, ao cair 25%, ao longo de 2018, o pior desempenho entre as praças financeiras globais.

O fenómeno reflecte ainda o impacto sobre a riqueza que incertezas geopolíticas prolongadas podem ter, sobretudo numa altura de desaceleração da economia doméstica.

"A China realmente teve uma trajectória incrível, mas em 2018 vimos volatilidade", disse John Mathews, chefe de gestão de património privado da UBS.

A nível global, a riqueza total dos milionários caiu 4,3%, no ano passado.

"Em 2018, vimos a escalada da guerra comercial [entre China e Estados Unidos], a incerteza do Brexit, e a subida do dólar", justificou Solita Marcelli, directora de investimentos das Américas na UBS Global Wealth Management.

"Tudo isto contribuiu para o declínio da riqueza dos milionários", disse.

No entanto, num período de cinco anos até 2018, a fortuna dos milionários chineses quase triplicou para um total de 982,4 mil milhões de dólares.

Durante aquele período, a China tornou-se o segundo país do mundo com mais milionários, atrás apenas dos Estados Unidos. No final de 2018, um em cada oito milionários era chinês, segundo o relatório.

Assuntos Internacional  

Leia também
  • 08/11/2019 15:14:07

    Supremo brasileiro anula prisão em segunda instância e Lula poderá ser libertado

    Brasília - O Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro anulou hoje a possibilidade de prisão de condenados em segunda instância, alterando um entendimento adoptado desde 2016, numa decisão que poderá levar à libertação do ex-presidente Lula da Silva.

  • 07/11/2019 18:47:08

    Erdogan reitera na Hungria ameaça de "abrir as portas" aos migrantes

    Budapeste - O Presidente turco, que está em visita à Hungria, reiterou hoje a ameaça de "abrir as portas" da Europa aos refugiados sírios actualmente instalados na Turquia, exortando a comunidade internacional a apoiar o plano de repatriamento proposto por Ancara.

  • 07/11/2019 17:48:24

    O essencial das eleições do próximo domingo em Espanha

    Madrid - As eleições gerais do próximo domingo em Espanha são as quartas dos últimos quatro anos em que vários Governos minoritários do PP (direita) e do PSOE (socialistas) foram incapazes de assegurar um executivo estável que durasse toda a legislatura.