Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

07 Novembro de 2019 | 17h04 - Actualizado em 07 Novembro de 2019 | 17h04

Estudo descobre novo tipo do vírus HIV em 20 anos

Roma - Um novo subtipo do vírus HIV, causador da SIDA, foi descoberto pela primeira vez em 20 anos por cientistas norte-americanos, e que pode ajudar na criação de novas formas de tratamento para os portadores, além de prevenir futuros surtos da doença.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O novo subtipo pertence ao grupo "M" do HIV, e é tido , como a versão mais comum da doença em todo o mundo, tendo sido encontrado durante um estudo realizado por pesquisadores da farmacêutica Abbott e publicada na quarta-feira na revista Journal of Acquired Immune Deficiency Syndromes, segundo a agência Ansa.

De acordo com os dados, o subtipo foi encontrado em três amostras, duas analisadas entre os anos de 1983 e 1990 e outra em 2001, mas que não possuíam vírus suficientes para ser encontrados usando as técnicas da época.

Na ocasião, dois indivíduos da República Democrática do Congo foram identificados como portadores do vírus.

"Essa descoberta nos lembra que, para poder erradicar a pandemia, devemos continuar a ser mais espertos que esse vírus que está constantemente mudando, usando as tecnologias mais recentes para monitorar a sua evolução", explicou Mary Rodgers, responsável por dirigir o Programa Global de Vigilância Viral.

"Identificar novos vírus como esse é como procurar uma agulha em um palheiro. Ao avançar nossas técnicas e usar a nova geração de tecnologia de sequencialmente, puxamos essa agulha com um ímã", acrescentou a cientista.

Os autores do estudo ainda ressaltam que, desde o início da pandemia, 75 milhões de pessoas foram infectadas e 37,9 milhões vivem com o vírus hoje. O director do Instituto Nacional Americano de Alergia e Doenças Infecciosas, Anthony Fauci, por sua vez, explicou à imprensa que, embora a descoberta seja importante, ela não é motivo de preocupação para a população.

"Os tratamentos actuais são eficazes contra esta e todas as outras cepas. Essa descoberta pode nos dar indicações úteis, no entanto, sobre como o vírus evolui", finalizou.

Assuntos Doença  

Leia também