Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

15 Setembro de 2020 | 20h27 - Actualizado em 15 Setembro de 2020 | 20h27

China diz estar disponível para receber observadores da UE

Pequim - A China disse hoje que está disponível para receber observadores em Xinjiang, onde há suspeitas de campos de concentração em massa de muçulmanos, respondendo a um pedido da União Europeia (UE).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

China: Artérias da Cidade de Beijing

Foto: Francisco Miudo

Segunda-feira, a UE desafiou a China a permitir observadores em Xinjiang, que a comunidade internacional denuncia como sendo uma região onde as autoridades de Pequim tem perseguido e detido mais de um milhão de pessoas em "campos de reeducação" a minoria muçulmana uigur.

A China tem respondido que esses campos são "centros de formação profissional", destinados a ajudar as pessoas a encontrar empregos e a libertá-las da tentação do extremismo religioso.

Liderada pelos Estados Unidos, a pressão internacional sobre Pequim tem vindo a aumentar e, segunda-feira, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, propôs o envio de observadores independentes a Xinjiang.

"Sempre estivemos abertos para que os nossos amigos estrangeiros, incluindo os da União Europeia, venham visitar e ver Xinjiang", disse hoje Wang Wenbin, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês.

"A China aceita este desafio e está pronta para fazer as preparações (necessárias). A bola está agora no campo da UE", disse Wang, numa conferência de imprensa.

Pequim rejeitou pedidos anteriores de acesso livre a Xinjiang e o porta-voz governamental não especificou em que condições os observadores europeus poderiam fazer uma eventual visita.

"No terreno, eles poderão perceber a realidade da situação, para desmentirem boatos e relatos tendenciosos que apenas dão crédito a mentiras cuidadosamente inventadas por alguns", explicou Wang Wenbin.

"Mas deixe-me enfatizar um ponto: opomo-nos a qualquer suposta investigação que se baseie na presunção de culpa", concluiu o porta-voz.

A China já tinha convidado o jogador de futebol alemão Mesut Özil, em Dezembro, para vir visitar Xinjiang, após uma violenta condenação à política de Pequim sobre os uigures, por parte deste jogador de origem turca à política de Pequim.

Os Estados Unidos anunciaram segunda-feira que bloquearão a importação de uma série de mercadorias da região, acusando as autoridades chinesas de terem recorrido a "trabalhos forçados" para a sua produção.

Wang Wenbin aproveitou hoje para reagir a esse anúncio, criticando a medida de Washington como sendo "intimidadora" e dizendo que se baseia em ideias "forjadas".

Assuntos China  

Leia também