Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

11 Janeiro de 2018 | 15h03 - Actualizado em 11 Janeiro de 2018 | 17h19

Ministra quer música como instrumento de cultura de paz

Luanda - A ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, destacou nesta quinta-feira, em Luanda, a necessidade de os artistas angolanos usarem a música como instrumento de cultura de paz, de dignificação da mulher e de educação da sociedade.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

ministra carolina cerqueira recebe em Audiência cantora irmã jolly

Foto: Rosario dos Santos

De acordo com a ministra, que falava durante uma audiência que concedeu à cantora gospel Irmã Jolly, os músicos devem apostar na produção de canções cujas mensagens enaltecem a dignidade humana, o amor ao próximo, o patriotismo e a valorização dos traços identitários da cultura angolana.

Os músicos, para Carolina Cerqueira, têm um papel importante e activo no processo de educação e socialização das pessoas, razão pela qual devem colocar ao dispor dos consumidores produtos com elevada qualidade temática e mensagens que incentivem a prática de boas acções nas comunidades.

“A música deve espelhar o sentimento de angolanidade, de solidariedade e de educação patriótica, de forma a contribuir no resgate dos valores morais e cívicos”, reforçou a governante.

Por sua vez, a cantora Irmã Jolly, que aproveitou a oportunidade para apresentar à ministra alguns projectos traçados na vertente solidário e dirigidos principalmente, aos presos das cadeias de Luanda, afirmou que a música gospel tem a particularidade de ser transmissor da mensagem bíblica e de incentivo ao amor ao próximo.

Durante a manhã desta quinta-feira, 11, a ministra recebeu ainda em audiência os integrantes do grupo humorístico Tunezas e o bispo da Igreja Tocoista, Dom Afonso Nunes, no quadro do processo de auscultação dos agentes culturais.

Assuntos Angola  

Leia também