Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

16 Dezembro de 2019 | 02h16 - Actualizado em 16 Dezembro de 2019 | 02h15

Muzongué da Tradição homenageia Bonga

Luanda - Os músicos Lulas da Paixão, José Massano Júnior, Jivago e a Banda Movimento subiram domingo ao palco do Muzongué da Tradição, no Centro Recreativo Kilamba, em Luanda, para homenagear Bonga Kwenda e sua banda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Musico Bonga Kwenda

Foto: Rosário dos Santos

Habituado a brilhar em grandes palcos, desde a década de 1970, Bonga Kwenda regressou a Luanda para encantar o seu público.

A organização foi obrigada aumentar os lugares e ingressos, para permitir que mais pessoas acompanhassem o músico a encerrar a temporada 2019 do Muzongué da Tradição.

A primeira actuação coube à Banda Movimento, seguindo-se José Massano Júnior, que encantou os presentes com o tema “meninas de hoje”, um dos grandes sucessos da sua carreira. 

Lulas da Paixão entrou em cena com “Nguami Maka”, “Vavo”, “Garan” e “António”, fazendo com que muitos convidados começassem a "invadir" a pista de dança.

Já Jivago, acompanhado pela Banda movimento Movimento, emocionou os presentes com os temas “Ramiro” e “Avó Tetê”.

Bonga, o cantor esperado, entrou em palco ao ritmo de um tema instrumental, fazendo todos presentes gritarem em pé e aproximar-se ao palco com os seus telemóveis, para filmar o momento que marcou a celebração dos 18 anos do Centro Cultural e Recreativo Kilamba.

O artista aqueceu a dicanza (reco-reco), iniciando o seu show cantando “Kamacove” e “Homem do saco”, para alegria do público. Com a sua dikanza à mão, procurava alternar a cadência melódica.

já com a plateia completamente envolvida, Bonga cantou "Kisselenguenha", "Moname", "Diacandumba", "Caxexe", “Mulemba Xangola”, “Frutas de Vontade”, deixando o local sem espaço suficiente para a dança do semba.   

Com mais de 40 anos de carreira e quase cinco centenas de músicas gravadas, o artista encerrou a temporada 2019 do Muzongué da Tradição com um repertório diversificado à base do semba, o seu ritmo de eleição.

À semelhança do encerramento do show do mês, Bonga falava sobre o semba e repetia trechos das suas músicas, convidando as mulheres vestidas de bessangana a recordar “toques” do antigamente.

Para terminar o show, entre as várias propostas de sucesso a escolha recaiu para "Jingonça".

Foi ao som desse semba que Bonga pôs fim a uma actuação de sete horas.

José Adelino Barceló de Carvalho, de seu nome completo, nasceu na província do Bengo, em Setembro de 1942.

Já actuou nos melhores palcos de França, Portugal, Estados Unidos da América (EUA), Guiné-Bissau, Moçambique, Suíça, Canadá, entre outros.

Bonga conquistou vários galardões a nível nacional e no estrangeiro, com destaque para o Prémio Nacional de Cultura e Artes, na categoria de Música, em 2010.

O Muzongué da Tradição iniciou em Fevereiro de 2007, para a promoção, divulgação e valorização da música angolana produzida nos anos 60, 70 e 80.

Assuntos Cultura  

Leia também
  • 12/12/2019 20:39:01

    INPC promove exposição de escultura em ferro forjado

    Luanda - Uma exposição de esculturas em ferro forjado está patente desde hoje, quinta-feira, no Palácio de Ferro, em Luanda, numa promoção do Instituto Nacional do Património Cultural (INPC).

  • 10/12/2019 19:35:28

    CD sobre direitos humanos lançado em Luanda

    Luanda - Uma disco com canções sobre direitos humanos, de autoria de cantores angolanos, foi lançado, nesta quarta-feira, em Luanda.

  • 06/12/2019 23:32:10

    Ministro sul-africano destaca intercâmbio cultural

    Luanda - O ministro dos Desportos, Artes e Cultura sul-africano, Nathi Mthethwa, disse, nesta sexta-feira, em Luanda, que o intercâmbio cultural entre Angola e África do Sul abre espaços para que os artistas produzam bens e serviços que engrandeçam os dois países.