Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

14 Maio de 2018 | 19h06 - Actualizado em 15 Maio de 2018 | 10h13

Litígio leva ao encerramento da Chancelaria de Angola no Quénia

Luanda - As actividades da Chancelaria de Angola na República do Quénia foram paralisadas provisoriamente, quinta-feira, devido ao encerramento forçado das instalações em que funciona em razão de um litígio com o proprietário do imóvel.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Edifício das Relações Exteriores

Foto: António Escrivão

A Angop soube nesta segunda-feira que os factos tiveram lugar quando o proprietário do imóvel e ex-senador, James Mutama, ignorou o que rege a Convenção de Viena sobre a matéria e por meio da força decidiu reavê-lo, tendo fechado a propriedade com cadeados.

Mutama não permitiu que fossem retirados os bens que lá se encontravam, como a bandeira da República de Angola e uma viatura oficial da missão diplomática.

Durante o acto, o embaixador de Angola no Quénia, Syanga Abílio, encontrava-se numa reunião do Comité dos Embaixadores Representantes Permanentes junto da Organização das Nações Unidas, em Nairobi.

Em declarações hoje à Angop, o director para África e Médio Oriente do Ministério das Relações Exteriores, Joaquim do Espírito Santo, disse que, após ter tomado conhecimento do caso, as autoridades em Luanda orientaram a representação diplomática a apresentar Nota Verbal de Protesto ao Ministério dos Negócios Estrangeiros daquele país.

Foi neste quadro que o representante angolano foi recebido na manhã de hoje, segunda-feira (14), pelo secretário-geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Quénia que, em nome das autoridades locais, manifestou preocupação com o sucedido.

Joaquim do Espírito Santos referiu ainda que o MIREX aguarda por uma Nota Verbal da Embaixada do Quénia para que possa explicar o sucedido, pois, apesar de ser o proprietário do imóvel, James Mutama invadiu um espaço que juridicamente é território angolano.

Salientou que este facto deveu-se a questões ligadas com a regularização das contas relativas ao arrendamento do imóvel, cujo valor não citou, bem como a intenção do país pôr igualmente fim ao contrato.

A Angop contactou igualmente a representação diplomática do Quénia em Angola, tendo o embaixador Josephat Kaunda Maikara prometido pronunciar-se em breve.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 05/11/2018 20:13:47

    Manuel Augusto prepara visita do Chefe de Estado a Moçambique

    Luanda - O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, trabalhou durante três dias em Moçambique para, entre outros, reforçar os laços de cooperação nos vários domínios e preparar a visita de Estado do Presidente da República, João Lourenço.

  • 05/11/2018 19:02:50

    Embaixador Rui Orlando Xavier apresenta cartas figuradas

    Luanda - O embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República de Angola, Rui Orlando Xavier, entregou nesta segunda-feira, em Tóquio, no Japão, as Cartas Figuradas ao vice-ministro dos Negócios Estrangeiros daquele país, Takeo Akiba.

  • 02/11/2018 17:58:03

    Angolano integra comité da ONU para questões orçamentais

    Nova Iorque - A Assembleia Geral das Nações Unidas elegeu, esta sexta-feira, em Nova Iorque, o diplomata angolano Makiese Kinkela Augusto para integrar o Comité Consultivo para as Questões Administrativas e Orçamentais (CCQAB ou ACABQ) para o período 2019-2021.

  • 26/10/2018 22:01:20

    Empresários belgas querem diamantes angolano - Chikoty

    Bruxelas (Dos enviados especiais) - Empresários belgas têm manifestado interesse na compra do diamante angolano, facto que obriga o país a investir no aumento da produção desse mineral, afirmou nesta sexta-feira em Bruxelas o embaixador de Angola nesse pais europeu, Georges Chikoty.