Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

02 Dezembro de 2019 | 15h00 - Actualizado em 03 Dezembro de 2019 | 11h57

Níveis de tráfico de drogas no país considerados altos

Luanda - O ministro da Justiça e Direitos Humanos, Francisco Queiroz, admitiu nesta segunda-feira, em Luanda, que os níveis de tráfico de drogas no país são altos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Manuel Monteiro de Queiroz

Foto: Gaspar dos Santos

Em declarações à imprensa, durante a abertura do workshop sobre a “Implementação das Convenções das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC)”, o governante defendeu, por isso, uma cooperação internacional mais eficiente para combater o tráfico.

“Se não estivermos preparados, com a cooperação internacional, não conseguiremos”, realçou o ministro, adiantando, sem apresentar estatística, que os níveis são altos em comparação com os anos anteriores.

Francisco Queiroz ressalvou que Angola está abaixo de outros estados da região na qual está inserida.  

Segundo o responsável, os criminosos aproveitam a vantagem de Angola ser uma “placa giratória” da região e a vulnerabilidade das fronteiras marítima e terrestre (numa extensão de mais de 2500 km2), para traficar drogas pesadas, como a cocaína e a cannabis (liamba).  

“Estamos a falar de terrorismo, da transferência ilícita de capitais e de órgãos de seres humanos”, apontou, reiterando a necessidade de haver uma cooperação internacional específica para cada manifestação criminosa.

Igual posição foi defendida pelo coordenador residente do Sistema das Nações Unidas em Angola, Paollo Balladelli, para quem é importante a abordagem do tema, por estar relacionado com a estabilidade do Estado de Direito e Democrático.

Com essa medida, acrescentou, poderão diminuir-se os fluxos financeiros ilícitos, as armas ilegais e permitir a recuperação de activos roubados.

Ainda sobre o workshop, o vice-procurador-geral da República, Mota Liz, em declarações à Angop, disse tratar-se de mais um passo de aprendizagem para os operadores de justiça conseguirem combater o crime organizado.

Reconheceu a função central da Procuradoria-Geral da República (PGR) nesta matéria, uma vez que tem registado “vários casos de tráfico de drogas, com redes internacionais, a criminalidade transnacional, tráfico de pessoas e branqueamento de capitais”.

Os participantes do workshop, a decorrer até ao dia 6 deste mês, estão a abordar, entre outras, questões como as Convenções das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional, protocolo para prevenir, suprimir e punir o tráfico de pessoas e protocolo contra a fabricação e o tráfico ilícito de armas de fogo, as suas peças, componentes e munições.

Assuntos Política  

Leia também
  • 02/12/2019 22:09:09

    PR envia mensagem ao homólogo tswanês

    Gaberone (Do enviado especial) - O Presidente da República, João Lourenço, enviou hoje, segunda-feira, uma mensagem ao seu homólogo do Botswana, Mokgweetsi Masisi, no âmbito do reforço da cooperação bilateral entre os dois estados.

  • 02/12/2019 21:48:21

    Presidente egípcio almeja incremento das relações

    Cairo - O presidente do Egipto, Abdel Fattah El-Sisi, expressou, nesta segunda-feira, no Cairo, o desejo de elevar, cada vez mais, os actuais níveis das relações bilaterais com Angola.

  • 02/12/2019 21:11:37

    Informatizados mais de 330 serviços da Justiça

    Luanda - O Ministério da Justiça de Angola investiu nos últimos anos em tecnologia de ponta que permitiu a informatização de 330 serviços, de um total de 492 prestados.

  • 02/12/2019 17:54:57

    Colóquio aborda percurso do MPLA

    Luanda - Académicos, políticos e nacionalistas vão, de 4 a 6 deste mês, reflectir, em colóquio, sobre o "legado histórico e o percurso revolucionário do MPLA", com vista a contribuir para o enriquecimento do acervo documental angolano e a sua salvaguarda.