Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

29 Maio de 2020 | 14h30 - Actualizado em 29 Maio de 2020 | 14h59

Covid-19 dificulta implementação de programas e projectos - PR

Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, afirmou nesta sexta-feira, em Luanda, que o novo coronavírus, associado à queda do preço do barril de petróleo no mercado internacional, trouxe consequências negativas à economia do país, dificultando a implementação de programas e projectos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Participantes ao encontro com a sociedade civil sobre o impacto da covid-19 na economia e na vida das famílias

Foto: Francisco Miudo

Presidente da República João Lourenço fala à sociedade Civil sobre COVID-19

Foto: Francisco Miudo

Ao discursar no encontro com a sociedade civil sobre o impacto da covid-19 na economia e na vida das famílias, o Chefe de Estado sublinhou que os recursos dos petróleos representam, para Angola, mais de 60 por cento das receitas tributárias e mais de 90 por cento das receitas de exportação.

Lembrou, na sua intervenção no Centro de Convenções de Talatona, que de Janeiro a Março do ano em curso, o preço do petróleo, principal produto de exportação do país, sofreu uma queda de 67 por cento, tendo o barril passado de 69 dólares norte-americanos para 22.

João Lourenço destacou o facto de a recuperação do preço deste produto continuar lenta, estando nos últimos dias, em média, ao redor dos 30 dólares por barril.  

Enfatizou que os efeitos desta situação, desfavorável para a economia nacional, causaram também a redução das receitas cambiais e, consequentemente, a diminuição da capacidade de pagamento ao exterior, e a redução das receitas fiscais do Estado, o que dificulta a implementação de muitos programas e projectos.

Recordou que, para fazer face à essa situação, o Executivo adoptou medidas de apoio às empresas e famílias, com destaque para a revisão do Orçamento do Geral Estado (OGE) para 2020.

Com a revisão do OGE, segundo o Titular do Poder Executivo, se vai alterar o preço de referência do barril, dos actuais 55 dólares para "um valor mais realista e compatível com a tendência actual que se verifica na trajectória do preço desta comódite no mercado internacional".

O Presidente João Lourenço disse que o Governo vem tomando medidas, que considerou corajosas, no sentido de reduzir as despesas do Estado, tendo conseguido obter saldos orçamentais positivos em 2018 e 2019.

Angola vem de um Estado de Emergência que se estendeu por dois meses e, desde terça-feira, vive uma fase diferente de excepção, a Situação de Calamidade Pública, que se prolongará enquanto se mantiver o risco de propagação massiva da pandemia.  

Para esta fase, foram decretadas medidas que visam garantir melhor equilíbrio entre a estratégia sanitária de prevenção e combate à covid-19 e a necessidade de se relançar, gradualmente, a actividade económica e o regresso à normalidade da vida social.

Leia também
  • 29/05/2020 15:29:06

    Íntegra do discurso do PR na reunião com a sociedade civil sobre Covid-19

    Luanda - Íntegra do discurso pronunciado nesta sexta-feira, em Luanda, pelo Presidente da República, João Lourenço, no encontro com representantes da sociedade civil sobre o impacto da Covid-19 na economia e na vida das famílias.

  • 29/05/2020 11:40:38

    PR quer aumento da produção na luta contra covid-19

    Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, defendeu hoje (sexta-feira) o aumento da produção nacional, para contrapor os efeitos da covid-19 na economia e aumentar os níveis de emprego no país.

  • 25/05/2020 23:27:53

    O novo normal

    Luanda - À semelhança de vários Estados, principalmente os da Europa, Angola inicia, esta terça-feira, nova etapa na estratégia de luta contra a Covid-19, abrindo mão de algumas medidas do Estado de Emergência, após quase 60 dias de confinamento social.