Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Reconstrução Nacional

07 Fevereiro de 2018 | 16h37 - Actualizado em 07 Fevereiro de 2018 | 16h40

Angola: Bacia do Coelho em fase de vedação

Luanda - Um mês depois de registar a morte de uma criança de seis anos de idade, por afogamento, a Bacia de Retenção de Águas Residuais do Coelho, localizada no KM9 A, município de Viana, em Luanda, encontra-se em fase avançada de vedação.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Bacia de Retenção de Águas Residuais da zona do Coelho, Viana

Foto: Lucas Neto

Barreira de protecção da Bacia de Retenção de Águas Residuais da zona do Coelho, em Viana

Foto: Lucas Neto

A cobertura surge no quadro de um trabalho de manutenção, que abarca, desde finais de 2016, o aumento da profundidade e a instalação de equipamentos para nivelar a água da bacia.

Os trabalhos, que se iniciaram há mais de duas semanas, visam impedir o fácil aceso de pessoas (principalmente crianças) àquele local, que já foi considerado, há dois anos, como um dos pontos mais críticos da capital do país em época chuvosa.

A Bacia de Retenção do Coelho tornou-se famosa quando, em Outubro de 2016, transbordou e criou constrangimentos sérios aos moradores do KM9 A, tendo inundado casas e escolas. O facto levou ao abandono de algumas casas, pelos munícipes.

Por altura dessa ocorrência, os utentes da Avenida Deolinda Rodrigues, estrada nº 230, passaram a enfrentar duros engarrafamentos, com filas quilométricas e bastante lentas, o que levou as autoridades da província de Luanda a efectuar trabalhos de correcção.

Os trabalhos iniciais resumiram-se no alargamento e aumento da bacia, que passou a ter mais 10 metros de profundidade, numa área de 30 mil 282 metros quadrados para um volume de 302 mil 820 metros cúbicos de água.

Para prevenir novas inundações, foram escavados pelo menos dois metros no solo argiloso, para retirada da lama que dificultava a permeabilização das águas.

De igual modo, foram instaladas três bacias e igual número de bombas flutuantes, que se activam automaticamente sempre que a água atingir determinado ponto. A água é, subsequentemente, descarregada para quatro caixas de válvulas ao redor da bacia.

Cada bomba, com autonomia de trabalho de 24 horas, tem capacidade de bombear 300 metros cúbicos de água por hora, isto é, 300 mil litros de água por hora com energia eléctrica da rede normal ou de fonte alternativa.

A partir daí, a água é escoada à "caixa mãe" e transportada para o outro lado da estrada, em duas tubagens de 250 milímetros de diâmetro, instaladas paralelas ao caminho de ferro até quilómetro e meio da zona do Coelho, aonde será derivada até a vala de drenagem do Cariango, passando pelo Rio Cambamba, até ao mar.

Todavia, o local continuava desprotegido e oferecendo perigo constante aos munícipes, que realizam actividades de pesca na bacia, com risco eminente de afogamento.

Para minimizar o problema, o projecto de requalificação da Bacia do Coelho previa, a partir de Janeiro de 2017, a construção de valas com rachão argamassado, ligação de mais duas bombas, protecção e o nivelamento do terreno.

O trabalho de protecção só agora se iniciou, depois que, em Janeiro último, uma criança residente no bairro dos Mulenvos escorregou e ficou presa na lama, no fundo da bacia. O seu corpo foi removido pelos bombeiros.

Para acautelar novos incidentes, estão em curso trabalhos de aplicação de uma cobertura de arame, que devem estar concluídos nos próximos dias.

A Angop esteve no local para apurar dados adicionais relactivos à vedação, mas os trabalhadores em serviço no local alegaram falta de autorização para tal.  

A Bacia de Retenção do Coelho foi criada há décadas, para receber a água da chuva e irrigar algumas quintas que existiam no local, mas, com o passar dos anos, foram construídas residências à volta e derrubadas as árvores.

O local servia de depósito de lixo, o que levava ao transbordo quando chovesse.

O nome de Coelho resultou do facto de uma das várias quintas implantadas na área dedicar-se à criação e comercialização de coelhos.

Assuntos Angola   Obras   Província » Luanda  

Leia também
  • 30/01/2018 11:26:09

    Imagem de Mbanza Kongo desgastada por obras abandonadas

    Mbanza Kongo - A administração municipal de Mbanza Kongo, província do Zaire, instou os proprietários de obras inacabadas na cidade a concluí-las sob pena de responsabilização administrativa.

  • 09/01/2018 13:33:31

    Ministro aponta soluções para ravinas na Lunda Sul

    Saurimo - Trabalhos para a redução da velocidade, quantidade e dissipação da corrente das águas pluviais são acções apontadas pelo ministro da Construção e Obras Públicas, Manuel Tavares de Almeida, para conter a progressão das ravinas na Lunda Sul.

  • 09/01/2018 12:38:11

    Ruas do Rangel asfaltadas este ano

    Luanda - Ruas do bairro Rangel, em Luanda, serão asfaltadas, depois de reparada a rede de esgotos, durante o primeiro trimestre deste ano.