Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

12 Março de 2018 | 07h00 - Actualizado em 12 Março de 2018 | 12h00

Taxa de mortalidade no Augusto Ngangula baixou em 2017

Luanda - A taxa de mortalidade materna reduziu, na Maternidade Augusto Ngangula, para 73, em 2017, contra 173, de 2016, afirmou, domingo, a directora geral do hospital, Lígia Alves.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Lígia Alves - Directora do hospital Augusto Ngangula (Arquivo)

Foto: Lucas Neto

Em declarações à Angop, a médica afirmou que esta redução deveu-se a formação contínua dos quadros, cumprimento rigoroso dos protocolos de orientação clínica e a humanização dos serviços, com palestras, seminários e aulas de ética e deontologia profissional.

Lígia Alves acrescentou que o número de bebés mortos também reduziu de mil 25 (2016) para 796, em 2017.

Acrescentou que, em 2017, a maternidade realizou 15 mil 714, enquanto em 2016, 15 mil  667 partos.

Frisou que, apesar de, em 2017 terem sido atendidas 24 mil 69 mulheres houve menos mortes do que em 2016 em que foram assistidas 23 mil 496 senhoras no banco de urgência, adiantando que o sucesso deveu-se as estratégias criadas para a redução da mortalidade materna e neonatal naquela unidade hospitalar.

Disse ainda que o maior número de mortes na maternidade ocorre em mulheres que dão entrada tardiamente com problemas hemorrágicos causados por partos iniciados em casa ou por não frequentarem as consultas pré-natal. 

Lígia Alves disse ainda que, o hospital organizou o atendimento aos familiares dos doentes, tornando-o mais humanizado, para reduzir o fluxo de permanência de utentes defronte ou nas proximidades da unidade hospitalar.

Por exemplo, os familiares têm a oportunidade de visitar o seu doente a partir das 7h30 até as 8h00, para  obterem informações de como passou a noite, saber o diagnóstico e a evolução do paciente. Para além das visitas que começam as 17h00 e terminam as 18h00.

A maternidade Augusto Ngangula possui 50 médicos e 323 enfermeiros, tem três ambulâncias para facilitar a evacuação de uma unidade para outra e a recolha de doentes em caso de emergência.

Assuntos Serviços de saúde  

Leia também
  • 04/02/2019 06:38:08

    Uíge com serviço de tele-medicina

    Uíge - A província do Uíge vai ter, muito brevemente, alguns pontos de serviço de tele-medicina para assistir pacientes, atendendo a falta de médicos especialistas em certas áreas da medicina, anunciou domingo, nesta cidade, a ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta.

  • 31/01/2019 11:05:50

    Luanda intensifica luta contra vector da malária

    Luanda - O Governo Provincial de Luanda vai, de 5 a 28 de Fevereiro, intensificar a luta anti-vectorial da malária em todos os municípios da capital angolana, para reduzir o impacto da doença na população.

  • 30/01/2019 11:15:32

    Hospital do Soyo sem serviços de cardiologia e ortopedia

    Soyo - Os serviços de cardiologia e ortopedia no hospital municipal do Soyo, província do Zaire, encontram-se paralisados há mais de um ano por falta de médicos.

  • 27/01/2019 02:03:01

    Cunene com 206 novos técnicos de saúde

    Ondjiva - Duzentos e seis técnicos médios de enfermagem, análises clínicas, farmácia e fisioterapia, formados na Escola Técnica de Saúde de Ondjiva, província do Cunene, receberam sábado, nesta cidade, os seus certificados de fim de curso.