Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

07 Junho de 2018 | 17h09 - Actualizado em 07 Junho de 2018 | 17h09

Responsável defende reestruturação do INEMA em Cabinda

Cabinda - A secretária provincial da saúde em Cabinda, Maria Carlota Ngombe Victor Tati, defendeu, hoje, quinta-feira, nesta cidade a necessidade da reestruturação técnica e administrativa do Instituto Nacional de Emergências Médicas (INEMA) no decorrer deste ano ao nível de Cabinda visando uma gestão mais responsável.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

INEMA em Cabinda com meios inoperantes

Foto: Angop

Em declarações a Angop, Carlota Tati, indicou que, essa reestruturação deve-se ao facto desta instituição estar a viver uma situação crítica, com a destruição e sabotagem dos meios e equipamentos como as ambulâncias.

"Reuni com a direcção nacional do INEMA sobre a situação em Cabinda, tendo em conta aquilo que aconteceu logo após a chegada dos 10 meios (ambulâncias do INEMA).

Perante o facto, a secretária da saúde em Cabinda, Carlota Tati, afirmou ser urgente a tomada de medidas, para que o INEMA tenha a sua estrutura funcional com um responsável já identificado, capaz de dirigir o seu objecto, de que foi criado para o bem das populações da regão.

Sublinhou que, com essa reestruturação, o INEMA em Cabinda, com quadros experientes neste ramo e que beneficiaram de estágios no exterior do país, concretamente em Espanha, Carlota Tati admite que o sector vai estar mais entrosado na sua especificidade e saberá corresponder com as ocorrências de salvamentos e socorros, que eventualmente venham a se registar.

"Vamos fazer com que o INEMA funcione como deve ser em Cabinda. Apoiar as ocorrências, sinistralidades, acidentes e outros socorros, papel que não tem cumprido desde a chegada destes meios que só serviram para apoio à delegações ou outros casos específicos, frisou.

Assegurou a recuperação das 10 ambulâncias paralisadas e que se encontram na unidade sanitária 28 de Agosto, que poderão servir para apoiar unidades nas sedes municipais ou comunais, acudindo a falta de meios nestas circunscrições.

"Precisamos também recuperar alguns meios que estão em locais privados, para que possam estar sob nosso controlo, uma vez são meios que foram adquiridos com fundos do Estado e destinados a servir às populações, indicou.

Actualmente o INEMA conta com três meios, um apoio recente do governo da província de Cabinda, perfazendo quatro ambulâncias ao serviço das emergências médicas na província.

Assuntos Província » Cabinda  

Leia também
  • 31/01/2019 16:29:44

    População de Cabinda terá serviços de hemodiálise

    Cabinda - O hospital Geral de Cabinda, em construção na zona de Chibodo, cerca de 18 quilometros a norte da cidade de Cabinda, contará com serviços de hemodiálise, especialidade até então inexistente actualmente nas unidades hospitalares.

  • 25/01/2019 03:03:24

    Candidato a Ordem dos Médicos conhece nível organizativo do sector

    Cabinda - O Candidato a Bastonário da Ordem dos Médicos de Angola, José Luís Pascoal, disse haver um nível organizativo dos serviços de saúde ao encontro dos cidadãos no município de Buco-Zau, cerca de 120 kms a norte de Cabinda.

  • 06/01/2019 09:27:34

    Cabinda: Verba condicona equipamento da Faculdade de Medicina

    Cabinda - A Faculdade de Medicina da Universidade Onze de Novembro, em Cabinda, debate-se com a falta de cem mil dólares para a montagem de equipamentos destinados à clínica hospitalar universitária, revelou a decana, Maria das Dores.

  • 22/12/2018 01:27:19

    Mais de 120 crianças nascem em Cabinda de mães com VIH

    Cabinda - Cento e vinte e três crianças nasceram de mães afectadas com o vírus do HIV/Sida no primeiro semestre de 2017, na província de Cabinda , afirmou, a secretária provincial do sector da saúde, Carlota Tati.