Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

14 Junho de 2018 | 15h26 - Actualizado em 14 Junho de 2018 | 15h26

Hemoterapia regista rotura no stock

Saurimo - A hemoterapia do hospital geral da Lunda Sul regista desde Maio, rotura no stock de sangue, causando dificuldades em responder as solicitações para salvar vidas humanas, informou hoje, quinta-feira, em Saurimo, o chefe de secção da unidade, José Quintas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Dadores voluntários (Arquivo)

Foto: ANGOP

O responsável, que falava no âmbito das comemorações do 14 de Junho, Dia Mundial do doador de Sangue, acrescentou que a hemoterapia tem contado com a doação dos membros da Brigada Jovem solidaria (BJS) da Lunda Sul e familiares dos doentes.

Diariamente a hemoterapia realiza 25 transfusões, e não dispõe de doadores fixos, a última doação foi a 26 de Maio através da BJS, o que não permite manter o stock, atendendo a demanda na procura do sangue, sobretudo crianças.

Explicou que de Janeiro a Maio do corrente ano, o centro recebeu 519 doações, que resultaram na recolha de 233 mil 550 mililitros de sangue, feitas por familiares dos pacientes.

No período em referência, foram realizadas dois mil e 457 transfusões, na pediatria, maternidade e no hospital geral da Lunda Sul.

Apelou os jovens no sentido de doarem sangue regularmente, porquanto é um acto de solidariedade que pode salvar muitas vidas humanas.

Por seu turno, a directora da maternidade provincial da Lunda Sul, Guilhermina Pereira, apontou a perda de sangue, malária, atonia uterina, partos no domicílio e as hemorragias pós parto, causando anemia severa, como sendo as principais causas das transfusões sanguíneas na unidade.

Sublinhou que têm sido constantes as transfusões sanguíneas, com média diária de cinco casos, ainda assim a maternidade tem falta de uma sala para estes serviços, obrigando a recorrer ao centro de hemoterapia.

Explicou que muitas vezes as pacientes chegam a unidade sanitária com muita hemorragia e acompanhadas por familiares sem condições de doar, o que as leva a procurar um dador, e muitas vezes atendendo a demora acabam por perecer.

Exortou as mulheres grávidas no sentido de acorrerem nos hospitais para darem a luz, evitando assim complicações que a levam a transfundir e a morte prematura.

O lema da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a comemoração da data neste ano ”Esteja presente para outra pessoa. Dê sangue compartilhe vida”, tem como objectivo chamar a atenção pelos papeis que os sistemas de doação voluntária desempenham e, corresponde ao posicionamento do executivo angolano acerca desta temática.

Leia também
  • 08/11/2018 18:03:46

    Sessenta crianças morrem de má nutrição no Cunene

    Ondjiva - Sessenta crianças, de zero aos cinco anos de idade, morreram de má nutrição severa e aguda moderada, de um total de 3.978 casos registados no decurso dos últimos nove meses em diferentes unidades sanitárias da província do Cunene.

  • 08/11/2018 12:30:02

    Médicos militares analisam prevenção de doenças

    Luanda - Médicos militares estão reunidos, desde hoje, quinta-feira, na XI jornadas médicas para analisar como prevenir a proliferação das doenças, sobretudo as mais perigosas do ponto de vista médico-sanitário destacando-se o VIH/Sida, a malária , tuberculose e a hipertensão.

  • 05/11/2018 17:47:56

    Reduzem casos de sida em Muconda

    Saurimo - Oito novos casos de infecção pelo vírus do VIH/Sida foram diagnosticados, de Janeiro até a presente data, do ano em curso, no município do Muconda (Lunda Sul), menos quatro em relação a igual período de 2017.

  • 05/11/2018 12:12:36

    País conta com 33 mil parteiras tradicionais

    Luanda - Trinta e três mil parteiras tradicionais prestam serviços em todo país na realização de partos dentro das comunidades, coadjuvando assim na redução da mortalidade materna e infantil.