Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

11 Julho de 2018 | 12h41 - Actualizado em 11 Julho de 2018 | 12h39

Procura de planeamento familiar no país assenta em 52 por cento

Luanda - A procura total de planeamento familiar no país é de 52 por cento, o que significa que 38 por cento das mulheres não têm a sua necessidade de planeamento familiar satisfeita e 14 por cento têm (usam algum método contraceptivo).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Estes dados vêm expressos no Inquérito de indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS – 2015/2016),  publicado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) publicado este ano.

O documento sublinha que das mulheres com necessidade de planeamento familiar não satisfeita, 26 por cento têm necessidade do metódo para espaçar os nascimentos e 12 por cento têm para limitar o número de filhos.

O relatório refere ainda se todas as mulheres actualmente casadas que desejam espaçar ou limitar o número de filhos usassem algum método de planeamento familiar moderno, a prevalência de uso de métodos contraceptivos aumentaria de 14 para 52 por cento.

Nos padrões segundo características seleccionadas, a necessidade de planeamento familiar não satisfeita varia com a idade da mulher, sendo 43 por cento entre as de 15-19 anos, 39 por cento entre as de 25-29 anos e 18 por cento entre as mais adultas (45-49 anos).

A procura total de planeamento familiar entre as mulheres actualmente casadas destina-se mais a espaçar do que limitar os nascimento (respectivamente, 35 e 17 por cento).

A necessidade de planeamento familiar não satisfeita nas mulheres actualmente casadas varia por província: Cuando Cubango apresenta a percentagem mais baixa 28 por cento, em comparação com Malanje 49 por cento e Cuanza Norte com 44 por cento.

Assuntos Mulheres   Serviços de saúde  

Leia também
  • 04/02/2019 06:38:08

    Uíge com serviço de tele-medicina

    Uíge - A província do Uíge vai ter, muito brevemente, alguns pontos de serviço de tele-medicina para assistir pacientes, atendendo a falta de médicos especialistas em certas áreas da medicina, anunciou domingo, nesta cidade, a ministra da Saúde, Sílvia Lutukuta.

  • 31/01/2019 11:05:50

    Luanda intensifica luta contra vector da malária

    Luanda - O Governo Provincial de Luanda vai, de 5 a 28 de Fevereiro, intensificar a luta anti-vectorial da malária em todos os municípios da capital angolana, para reduzir o impacto da doença na população.

  • 30/01/2019 11:15:32

    Hospital do Soyo sem serviços de cardiologia e ortopedia

    Soyo - Os serviços de cardiologia e ortopedia no hospital municipal do Soyo, província do Zaire, encontram-se paralisados há mais de um ano por falta de médicos.

  • 27/01/2019 02:03:01

    Cunene com 206 novos técnicos de saúde

    Ondjiva - Duzentos e seis técnicos médios de enfermagem, análises clínicas, farmácia e fisioterapia, formados na Escola Técnica de Saúde de Ondjiva, província do Cunene, receberam sábado, nesta cidade, os seus certificados de fim de curso.