Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Saúde

30 Julho de 2020 | 10h53 - Actualizado em 30 Julho de 2020 | 10h52

População da Matala recebe medicamentos para oncocercose

Matala - A população que habita à beira do rio Cunene e outros afluentes, no município da Matala, província da Huíla, começou esta quinta-feira a receber 120 mil doses de Metizam, fármaco utilizado na prevenção e tratamento da oncocercose, também conhecida como "cegueira dos rios".

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Falando à Angop, à margem da campanha que está a ser conduzida por uma brigada da saúde pública, o administrador-adjunto para a área política, social e da comunidade do município, Artur José, disse que se  regista uma média de 200 casos por ano, uma taxa de letalidade baixa, mas que há riscos de cegueira irreversível para os afectados.

Contudo, pediu a participação das autoridades tradicionais, líderes religiosos e responsáveis de bairros na sensibilização da população para que aceitem o fármaco e acatem as medidas de prevenção contra a doença.

Por sua vez, o director municipal de Saúde na Matala, Nicolau Camati, afirmou que não se registou qualquer caso da doença, mas que os dados dos anos anteriores aconselham cautelas, daí o lançamento da campanha com objectivo de continuar a reforçar as acções de combate à doença.

Sublinhou que a doença também conhecida por "cegueira dos rios" manifesta-se pela apresentação de nódulos do tamanho de um grão de feijão na região frontal dos braços, ao mesmo tempo que a pessoa afectada pode apresentar pigmentação na pele, que perde ainda mais a elasticidade, podendo chegar à cegueira total.

A onconcercose é uma das doenças tropicais negligenciadas, transmitida pela picada de uma mosca que se encontra às margens dos rios, cujos sintomas, após a picada, demoram entre cinco a dez anos para sua manifestação.

Falando à Angop, à margem da campanha que está a ser conduzida por uma brigada da saúde pública, o administrador-adjunto para a área política, social e da comunidade do município, Artur José, disse que se  regista uma média de 200 casos por ano, uma taxa de letalidade baixa, mas que há riscos de cegueira irreversível nos afectados.

Contudo, pediu a participação das autoridades tradicionais, líderes religiosos e responsáveis de bairros na sensibilização da população, sobretudo a ribeirinha, para que aceitem o fármaco e acatem as medidas de prevenção contra a doença.

Por sua vez, o director municipal de Saúde na Matala, Nicolau Camati, afirmou que não se registou qualquer caso da doença, mas que os dados dos anos anteriores aconselham cautelas, daí o lançamento da campanha com objectivo de continuar a reforçar as acções de combate à doença.

Sublinhou que a doença também conhecida por "cegueira dos rios" manifesta-se pela apresentação de nódulos do tamanho de um grão de feijão na região frontal dos braços, ao mesmo tempo que a pessoa afectada pode apresentar pigmentação na pele, que perde ainda mais a elasticidade, podendo chegar à cegueira total.

A onconcercose é uma das doenças tropicais negligenciadas, transmitida pela picada de uma mosca que se encontra às margens dos rios, cujos sintomas, após a picada, demoram entre cinco a dez anos para sua manifestação.

Assuntos Província » Huíla   Saúde  

Leia também