Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

13 Novembro de 2018 | 16h37 - Actualizado em 13 Novembro de 2018 | 16h36

Executivo aposta na abertura e diversificação da Comunicação Social

Luanda - A criação de condições para que haja uma comunicação social aberta e diversificada em termos de conteúdos dos órgãos de comunicação social é um dos compromissos do Executivo, reafirmou hoje, terça-feira, o titular do sector, João Melo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Economista Carlos Rosado

Foto: JOAQUINA BENTO

Participantes da Mesa Redonda sobre " Boas Notícias "

Foto: JOAQUINA BENTO

Ao falar durante a mesa redonda sobre “boas notícias”, o ministro João Melo considerou que não é correcto que se exija certas responsabilidades pessoais, técnicas, éticas, deontológicas à imprensa pública e não se faça o mesmo em relação à privada.

Os excessos, segundo o governante, são de ponderar, quer sejam da imprensa pública como da privada, pois tudo que for excesso certamente será condenado.

Para o jornalista Reginaldo Silva, um dos quatro intervenientes da mesa redonda, não existem boas ou más notícias, facto que não compete ao jornalista, sendo o mais importante gerir a informação toda de acordo com a realidade do país e dos factos.

Opinião idêntica tem o director do semanário económico Expansão, Carlos do Rosado, que considera boa notícia aquela feita de acordo com as regras do jornalismo, que vai desde a recolha de informação até o trabalho de redacção.

Por sua vez, o director do Diário de Notícias de Portugal, Ferreira Fernandes, disse que não se deve confundir boas notícias com propaganda. A notícia boa deve ser uma obrigação a ser contada a nível dos órgãos de comunicação, uma vez que não precisa do lugar da má notícia, pois esta já tem o seu espaço cativo.

Sugeriu que é importante que os jornalistas angolanos abordem com maior profundidade aspectos sociais positivos, que possam ajudar a melhor informar e formar a sociedade.

Já para o engenheiro agrónomo Fernando Pacheco, o ambiente que se vive na comunicação social é o resultado do novo paradigma político no país, uma vez que o modo como se está a abordar a problemática da nação permitirá determinar outras conquistas para Angola no futuro.

A mesa redonda sobre “boas notícias” foi organizada pelo Ministério da Comunicação Social e contou com a presença do secretário de Estado da Comunicação Social, Celso Malavoloneke, presidentes dos Conselhos de Administração de órgãos do sector, administradores, jornalistas, estudantes de jornalismo, entre outros convidados.

Leia também
  • 14/11/2018 11:31:11

    Jovens do Lubango marcham contra o abuso sexual

    Lubango - Uma marcha que visa despertar a cultura da denúncia na sociedade contra os abusos sexuais vai ser realizada neste sábado, no município do Lubango, província da Huíla, por um grupo de jovens da sociedade civil.

  • 14/11/2018 11:07:57

    PN remove dois cadáveres nas últimas 72 horas

    Luena - Dois cadáveres foram removidos nas últimas 72 horas, pela Polícia Nacional, na localidade de Cangonga, e no bairro Aço, arredores da cidade do Luena, Moxico, indica uma nota de imprensa da corporação entregue hoje, terça - feira à Angop.

  • 13/11/2018 17:04:55

    Inclusão social verdadeiro exercício de cidadania - vice-governadora

    Luanda - O alcance da inclusão social constitui um verdadeiro exercício de cidadania e de justiça na afectação racional e equilibrada dos recursos do país, disse hoje, terça-feira, em Luanda, a vice-governadora de Luanda para a área Política e Social, Ana Paula Correia Victor.

  • 13/11/2018 16:51:13

    Autoridades tradicionais denunciam contrabando de combustível no Luau

    Luau - As autoridades tradicionais do município do Luau (Moxico), denunciaram hoje, terça-feira, na circunscrição, eventuais casos de contrabando de combustíveis praticados por supostos cidadãos da República Democrática do Congo (RDC), o que contribui na escassez dos derivados de petróleo na região.