Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

13 Fevereiro de 2020 | 15h04 - Actualizado em 14 Fevereiro de 2020 | 10h26

Extensão da rádio garante direito constitucional do cidadão

Catete - O projecto de extensão da Rádio Nacional a nível do país é fundamental para garantir o direito constitucional de informar e ser informado, considerou nesta quinta-feira, em Catete, o diretor do Centro de Formação de Jornalistas (Cefojor) , Joaquim Paulo.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Joaquim Paulo, director-geral do cefojor (arquivo)

Foto: Clemente Santos

O responsável, que falava à Angop por ocasião do Dia Mundial da Rádio,  sublinhou que Angola tem a facilidade, em particular a Rádio Nacional de Angola, de ter dito uma visão importante no que respeita e conciliar a idiocracia, quer nos seus programas culturais e na forma de linguagem (conteúdos em línguas nacionais).

Disse que apesar de existir ainda muitas províncias com dificuldades de electricidade e acesso ao jornal físico, qualquer pessoa com um rádio, quer a pilha ou modo de carregamento, tem facilmente acesso a informação.

Acrescentou que o meio radiofónico continua a ser o principal berço das pessoas para se informar e entreter e é a forma mais fácil  e segura de fazer passar a informação e a mensagem.

Por sua vez, a administradora para a área de conteúdos da RNA, Paula Simons, considerou pertinente e urgente a necessidade de se trabalhar para a extensão do sinal a nível do país.

Destacou, por outro lado, o papel pedagógico que devem ter os profissionais de rádio para o resgate dos valores morais de uma sociedade.

"A rádio foi inventada para conversar e é a maneira mais agradável de estarmos próximo do outro. Num país como o nosso, para além da questão da informação, a componente pedagógica é fundamental. Temos questões muito sérias que dizem respeito ao quotidiano das pessoas, bem como outros aspectos da sociedade”, frisou.

Para a responsável, as pessoas que fazem rádio devem ter uma plena consciência da responsabilidade  que possuem ao transmitir informações ou conteúdos de entretenimento.

De acordo com ela, o país está numa mudança geracional e profissionais da comunicação social devem criar valores que contribuem para o desenvolvimento e crescimento sustentável na nação, aumentando nas grelhas de programação produção educativa.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 13/02/2020 22:49:17

    MCS prevê atribuir quotas de formação aos órgãos privados

    Luanda - O Ministério da Comunicação Social (MCS) prevê atribuir quotas aos órgãos privados para a formação dos seus profissionais, afirmou, nesta quinta-feira, em Catete, o titular da pasta, Nuno Albino.

  • 13/02/2020 20:53:18

    Conselho Consultivo recomenda reforço do sistema de comunicação

    Luanda- A criação de condições para o reforço do sistema de comunicação social democrático, diversificado e plural, tendentes a garantir os direitos, liberdades e as garantias dos cidadãos consta entre as recomendações saídas do XIV Conselho Consultivo do Ministério da Comunicação Social.

  • 13/02/2020 17:41:26

    GCII manifestam abertura

    Catete - Os Gabinetes de Comunicação Institucional e Imprensa (GCII) dos departamentos ministeriais manifestaram, nesta quinta-feira, em Catete, total abertura, interacção e colaboração com os órgãos de comunicação social.

  • 13/02/2020 16:57:26

    Responsável quer maior projecção da imagem de Angola

    Catete - O director nacional da Comunicação Institucional e Imprensa do Ministério da Comunicação Social, Eduardo Magalhães, destacou, nesta quinta-feira, em Catete, a necessidade de os adidos de imprensa angolanos elaborarem uma narrativa de projecção da imagem do país para a atracção do investimento privado estrangeiro.