Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Sociedade

14 Outubro de 2020 | 19h40 - Actualizado em 14 Outubro de 2020 | 19h39

Mundo celebra Dia da Lavagem das Mãos

Luanda - Poucas vezes, na história da humanidade, o Mundo celebrou o Dia Mundial da Lavagem das Mãos (15 de Outubro) com tanta necessidade de recurso à água e ao sabão.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Aluna lava as mãos

Foto: Angop

(Por Francisca Augusto, jornalista da Angop)

A efeméride, instituída em 2008, como meio de reduzir o impacto da mortalidade infantil, ganha, este ano, contornos diferentes, ante a ameaça global da pandemia da Covid-19.  

Se, lavar as mãos, já era uma prática recomendável por especialistas em medicina, agora, com o quadro desta doença silenciosa e letal, este gesto torna-se uma "regra de ouro" para salvar a humanidade.  

Desde Novembro de 2019, a lavagem das mãos passou a ser, por conta da doença viral que assola o Mundo, em geral, e Angola, em particular, prática constante, à qual ninguém poderá mais estar alheio.

Não é por acaso que, diariamente e de forma sistemática e regular, a mensagem da higienização das mãos com água e sabão, ou álcool em gel passou a constar dos vários serviços de informação das empresas de comunicação social e de outras plataformas digitais de todo o Mundo.

A lavagem das mãos é, na verdade, uma das medidas mais antigas, baratas, simples e eficazes na prevenção de infecções virais, bacterianas, fúngicas ou outras.

Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), trata-se, pois, de uma prática que deverá constar do dia-a-dia dos cidadãos, até mesmo depois da erradicação da pandemia da Covid-19.  

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a lavagem correta das mãos pode reduzir em até 41 por cento a possibilidade de mortes em recém-nascidos.

Segundo o médico e docente universitário angolano Euclides Sacamboio, doenças como a pólio, diarreicas agudas, respiratórias, gastrointestinal e até do foro neurológico podem ser causadas pelo não exercício deste pequeno gesto: a higienização das mãos.

Explica, por exemplo, que as doenças diarreicas agudas, causadas pela não higienização das mãos, estão entre as cinco de maior morbidade e mortalidade em Angola.

A propósito, a OMS recomenda que, para a higienização correcta, podem ser usados água e sabão por 40 ou 60 segundos, ou produto alcoólico, entre 20 e 30 segundos.

A lavagem das mãos, conforme Euclides Sacamboio, deve ser feita com detergente (sabão, omo ou sabonete), sem os quais fica difícil a eliminação de vírus, bactérias, fungos ou outros microrganismos.

Cidadãos ignoram medidas

Entretanto, em Angola ainda nem todos os cidadãos cumprem à risca a recomendação, expondo-se a riscos de saúde facilmente evitados, que muitas vezes resultam em óbito.


É o caso de Alberto Figueira, de 26 anos, vendedor ambulante na província de Luanda.

De acordo com o cidadão, o seu trabalho não dá espaço para lavar as mãos várias vezes ao dia, com água e sabão. Por isso, usa, quando tem, o álcool em gel, algumas vezes.

Com esta prática, deixa, muitas vezes, a saúde em risco, embora afirme que seja Deus o seu refúgio.

"Se fosse o contrário, já teria contraído a Covid-19 ou outras doenças provocadas pela falta da higienização das mãos", expressa.

Manuela Macaia, de 53 anos, moradora do município de Cacuaco e mãe de cinco filhos, também ignora a recomendação da lavagem constante das mãos.

"Nunca apanhei doença por causa de não lavar as mãos. Por isso, estou aqui e os meus filhos também estão bem", afirma a escamadora de peixe no Mercado do Peixe, erguido em Cacuaco, Luanda.

No entanto, ao contrário destes cidadãos que falavam a propósito do 15 de Outubro, Dia da Lavagem das Mãos, os profissionais de saúde intensificam as campanhas de sensibilização da população, para a necessidade de higienização constante das mãos.

O médico Euclides Sacamboio destaca a necessidade de se reforçar as medidas assepsia e antisséptia, entre as quais a limpeza dos objectos e materiais, em especial os lugares de uso comum, sem descurar, jamais, a higienização das mãos.

No âmbito das celebrações de mais um 15 de Outubro, o especialista aconselha os cidadãos a transformarem a lavagem das mãos num vício constante, em especial antes de comer, depois de fazer necessidades e antes de entrar em contacto com alimentos.

"Façam-no sempre que for necessário, porque a vida não tem preço", remata o médico.

Assuntos Sociedade  

Leia também
  • 15/10/2020 14:14:35

    Famílias desalojadas no Sequele condicionam regresso aos apartamentos

    Luanda - As 10 famílias de moradores no edifício 27, Bloco-2, da Centralidade do Sequele, município de Cacuaco, em Luanda, desalojados a seis dias, depois de uma explosão num apartamento, condicionaram o regresso as suas residências à apresentação de um relatório da empresa construtora da cidade ou da administração distrital.

  • 14/10/2020 16:08:24

    Covid-19: Rei de Onalueque quer reforço das medidas

    Ombadja - O Rei do Ombala-Ya-Nalueque, no município de Ombadja, província do Cunene, Mário Shatipamba, pediu hoje, quarta-feira, na localidade, o reforço das medidas de prevenção contra a Covid-19, por forma a evitar-se o contágio da doença nas comunidades.

  • 14/10/2020 12:39:22

    Administração do Golungo Alto realoja 20 famílias

    Golungo Alto - Vinte famílias vítimas de invasão de elefantes na aldeia de Muene Mbala, comuna de Kiluanje, município do Golungo Alto, província do Cuanza Norte, vão ser realojadas, brevemente, em áreas mais seguras.