Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Transporte

06 Junho de 2018 | 11h35 - Actualizado em 06 Junho de 2018 | 11h33

Prejuízos ditam fim dos voos da British Airways

Luanda - Prejuízos de ordem operacional, entre outras razões, ditaram o fim das operações da British Airways para Angola, revelou hoje, em Luanda, o director de vendas da companhia, Oliveira Campos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Dístico da companhia aérea britânica, British Airways

Em declarações à Angop, mas sem enumerar valores sobre receitas e prejuízos, Oliveira Campos esclareceu que a situação, que levou a British a deixar o mercado angolano, se acentuou a partir de 2015.

Apontou a falta de passageiros na rota Luanda/Londres e vice-versa como “a principal causa da decisão”, associada à actual crise económico-financeira mundial que reduziu as fontes de receitas e de captação de divisas para a companhia.

“O aparelho que vem para Angola possui 217 lugares, e, ultimamente, apenas transportamos entre 40 a 60 passageiros, o que é economicamente inviável (…)”,  justificou.

Para o quadro da British, utilizar apenas um terço da capacidade de transportação do aparelho, em termos de operação de voo e de custos, não é viável, além do facto de Londres ser uma cidade pouco comercial, ao contrário do Rio de Janeiro, São Paulo, Dubai ou algumas localidades da China.

Apontou a necessidade de visto de entrada para o Reino Unido, para os angolanos que viajam em trânsito, como um dos factores que pesaram na redução de passageiros.

O director de vendas da British Airwys em Luanda confirma que o último voo da companhia para Angola partirá de Londres/Heathrow com destino a Luanda quinta-feira e tem regresso marcado para sábado, dia 9 de Junho.

Em Junho de 2016, a companhia espanhola Iberia, que também integra o Grupo IAG, deixou de voar para Luanda, também por falta de passageiros.

O grupo IAG (International Airlines Group), cujo principal accionista é, actualmente, a Qatar Airways, foi fundado há sete anos, na sequência da fusão da britânica British Airways e da espanhola Iberia, que se uniram na compra das acções da Vueling, Aer Lingus y Level.

 

 

Assuntos Aeronáutica   Companhias  

Leia também
  • 05/05/2018 21:19:02

    TAAG perde hegemonia da aviação doméstica

    Luanda - Com a assinatura de um contrato, para a aquisição de seis aeronaves, entre a nova operadora de voos domésticos, Air Conection Express, e a fabricante canadiana Bombardier, a TAAG perde a hegemonia do mercado interno de aviação.

  • 24/04/2018 00:15:58

    ENANA esclarece situação de segurança no espaço aéreo

    Luanda - A Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e Navegação Aérea (ENANA) fez, nesta segunda-feira, uma nota de esclarecimento sobre a situação de segurança do espaço aéreo angolano, tendo considerado o sistema de controlo "eficiente e seguro".

  • 23/04/2018 23:08:35

    Angola melhora gestão estratégica do espaço aéreo

    Luanda - A República de Angola e o Canada rubricaram, quinta-feira última, um acordo de prestação de serviços no domínio da aviação civil, que visa a melhoria da gestão estratégica do espaço aéreo nacional.