Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Huambo

Huambo

Essencialmente voltada para a área de extracção mineral e agro-pecuária, que representa 76 por cento da actividade económica da província.

Huambo

Pontos naturais e históricos

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

A província do Huambo está repleta de espaços verdes, monumentos, locais históricos e espaços de lazer.

Albufeira do Kuando

Tem uma rara praia no planalto, devida à Barragem do Ngove, e é também nesta província que se localiza o Morro do Moco, o ponto mais alto de Angola, com 2.620m. Merecem a visita o Centro de Estudos Florais e o Centro de Estudos de Sacaála, a Senhora do Monte, os Paços do Concelho, o Museu Antropológico Municipal, o Museu Regional do Huambo, as Ruínas da Embala Grande e o Tumulo do Rei Ekuikui.

 

Monumentos

O Forte da Embala da Kissala, as Pedras da Embala Kandumbo, Paços de Concelho, onde está situada a Biblioteca Constantino Kamoli, as nove estátuas espalhadas pelos jardins da cidade, que mostram um pouco de riqueza cultural da província, as ruínas da Embala Grande, com as suas muralhas, a cerca de 20 km do Huambo e Cacimba do Huambo de 1914.

 

Pedras de Kandumbu

Monumento natural localizado a 22 km da cidade do Huambo e a cerca de 15 km, a nascente, da sede do município de Tchicala-Tcholoanga. Trata-se de um conjunto monolítico granítico com fendas, grutas e uma fauna, onde estão sepultados os crânios de três soberanos da Ombala de Kandumbu.
Em 18 e 19 de Setembro de 1902, as Pedras de Kandumbu, também conhecidas como Forte de Kandumbu, foram palco de confrontos entre as tropas portuguesas, lideradas pelo capitão Joaquim Teixeira Moutinho, então Governador de Benguela, e a povoação local, à frente da qual estava o rei Ndala Kandumbu. Esse povo ficou conhecido com "Ovita Vyo Kandumbu".
O Planalto Central acabou por ser subjugado pelos portugueses. Porém, o poder de resistência dos locais comandados por Ndala foi tal que os colonialistas portugueses consagraram aquele lugar como uma referência histórica e ergueram um marco no cimo da pedra, em memória das lutas entre ambos povos.

 

Pedras de N'Ganda-La-Kawhe

Monumento natural a cerca de 7 km da sede do município da Caála. A Pedra de N'Ganda representa o universo feminino, por ter sido o local de residência das esposas do Soba Wambo Kalunga, um excelente caçador proveniente do Kwanza Sul e que viveu na zona. Já a Pedra de La Kawhe diz respeito ao universo masculino, precisamente por ser o local onde, de acordo com a tradição, o Soba Wambo Kalunga.
A 9 de Setembro de 1902, a coluna sul das tropas portuguesas, comandadas pelo capitão Joaquim Teixeira Moutinho, defrontaram ali os locais, ajudando à implantação do colonialismo no Planalto Central.
Nesses confrontos, bem como no recente conflito militar angolano, o local constituiu um refúgio para as populações em redor.

 

Forte da Quissala

O antigo Forte Cabral Moncada foi construído em 1902, em memória do responsável pela expedição militar que levou à pacificação do Planalto Central.
Em 1912, foi no Forte, então já com o nome de Quissala, que se organizaram os serviços administrativos e políticos que conduziram à fundação da cidade do Huambo, pelo General José Mendes Norton de Matos.

 

Pinturas Rupestres de Kaninguili (ou Caninguiri)

Localizadas a cerca de 43 km a nascente da sede do município do Mungo (e a 150 km da cidade do Huambo), perto da localidade de Kaninguili ou Caninguiri (daí o nome), as pinturas estão inscritas num penedo pertencente ao conjunto das Pedras Negras de Kaninguili, onde se integram igualmente as antigas muralhas de Ombala. E de acordo com escavações arqueológicas realizadas em 1970, as pinturas têm entre sete a dez mil anos.
Os motivos pictóricos são geométricos, representando cenas de caça, animais e figuras humanas, com diferenças cromáticas que vão desde o branco ao amarelo e a várias tonalidades de vermelho.

 

Túmulo do Soba Wambo Kalunga

O nome do reino do Huambo teve origem no nome do Soba Wambo Kalunga, um caçador do Kwanza Sul que se fixou junto às Pedras de N'Ganda-La-Kawhe e que casou com várias mulheres do Soba Caála. Diz a tradição do Kwanza Sul que, quando morreu, o Soba Wambo Kalunga foi sepultado no meio de dois casais jovens enterrados vivos, que assim o deveriam acompanhar para além da morte.
Também junto ao Soba Wambo Kalunga estão os túmulos dos Sobas Muanguja, falecido em 1964, e de Zeferino Lucamba, que morreu há 18 anos.

 

Túmulo dos Reis Ekuikui II e Katiavala

O túmulo com os restos mortais dos dois reis está situado no topo da montanha de Halavala, onde teve origem o Reino de Ombalundo (mais tarde Bailundo), fundado no século XVII pelo Rei Katiavala.
A localização do túmulo faz dele, por isso, um bom miradouro sobre o município do Bailundo.

 

Pedras do Alemão

As Pedras do Alemão são um monumento natural granítico, a cerca de 20 km da cidade do Huambo, a nascente, e têm a particularidade de apresentarem uma fenda no sentido longitudinal vertical.
Reza a lenda que um dia um cidadão alemão surpreendeu a sua esposa, uma bonita nativa, com outro homem. Desiludido com a traição, subiu ao cimo das pedras e atirou-se para baixo. Daí o nome: Pedras do Alemão.

 

Praça Dr. António Agostinho Neto

A mais conhecida praça da cidade do Huambo, construída entre 1935 e 1945, e denominada Praça Dr. Manuel de Arriaga no período colonial.

 

Parque Almirante Américo Tomás

Situado no centro da cidade, tem um parque para crianças e uma estufa-fria.

 

Museu Antropológico 

Instalado no antigo edifício onde viviam os funcionários da Rádio e dos Correios, construído em 1935, 21 anos antes da criação do Museu Regional do Huambo. O museu chegou a reunir um acervo de cerca de 1500 peças, de colecções de Arte Sacra, Antropomorfia, Etnografia, Pintura, Medicina Tradicional, entre outras, que mostrassem os usos e costumes da região do Planalto Central.

 

Os edifícios Ruacaná e Nova York

Situados no quarteirão da Avenida da Independência com a Rua da Ganda. Estes dois edifícios representam a melhor arquitectura da cidade: o Ruacaná é um bom exemplo da arquitectura moderna, da primeira metade do século XX, caracterizado pelo rigor e singeleza da sua geometria, com destaque para o varandim e a torre. Já o edifício da loja Nova York, voltado para a rua Alves Roçada é um bom exemplo de uma corrente com origens no Brutalismo (movimento moderno, entre 1950 e 1960) e evidencia-se pela estrutura em betão, utilizada como elemento formal e decorativo.

 

Sé Catedral do Huambo 

Na Avenida da Independência, começou a ser construída em 1937 e acolheu a primeira missa na noite de Natal dois anos depois. Aquela que é agora a Igreja Matriz da Arquidiocese do Huambo recebeu como padroeira, em 1940, a Nossa Senhora da Conceição.

Túnel subterrâneo - onde se abrigou o Soba (Chefe) Kandumbu.

Morro de Santo António do Bailundo, local onde se encontra o túmulo do rei Ekuikui.

 

Igreja do Centro do Compão

Erguido por missionários em 1957, na cidade da Caála. Este edifício tem uma arquitectura invulgar, tendo sido construído com materiais tradicionais, como o adobe; por outro lado, as suas cúpulas foram pintadas de indigo e tem frestas na fachada, que iluminam o interior. Actualmente, serve para receber os meninos da catequese e funciona como escola primária, além de esporadicamente ser um local de culto.

 

Igreja de Nossa Senhora do Monte

Erguida em 1924 no monte M'bengela, que em umbundo significa "miradouro", e que tem um conjunto das Estações da Via Sacra, em memória da paixão e morte de Cristo. A Arquidiocese do Huambo tem um projecto para requalificar e dignificar o local, promovendo o Santuário Nacional dedicado à padroeira de Angola, Nossa Senhora Do Imaculado Coração de Maria. Entre 15 e 28 de Agosto têm lugar as festas de romaria de Nossa Senhora do Monte à Igreja. Também ali pode aproveitar a vista sobre a cidade da Caála, sede do município com o mesmo nome.

 

Missão Católica do Kuando

Foi fundada em 1920, na margem esquerda do rio Kuando, a 18 km da cidade do Huambo, na comuna do Cruzeiro. A missão tem um importante papel na espiritualidade, educação e prestação de cuidados de saúde à população das áreas envolventes da cidade, além de ter um internato misto onde residem e estudam cerca de 40 crianças.

A província do Huambo está ainda repleta de locais de culto arquitectonicamente inesquecíveis, por vezes rodeados de uma bela paisagem: Missão Católica da Camela, no município do Catchiungo; Igreja de Santo António; igreja do Bailundo; igreja de Nossa Senhora de Fátima, no município da Caála; Missão Evangélica de Chilume, na periferia da vila do Bailundo, a 75 km a norte da cidade do Huambo; igreja do Cachiungo, em Cachiungo; igreja do Mungo, no Huambo, e igreja de São Pedro, no Bairro de S. Pedro no Huambo.

 

Reserva Florestal do Kavongue

Tem 39Km² de área.