Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Economia

28 Setembro de 2020 | 10h27 - Actualizado em 28 Setembro de 2020 | 12h37

Falta de assistência e de raçao causa morte de aves em Cabinda

Cabinda - Trezentos e seis pintos dos 600 entregues, em Maio deste ano, a ex-militares no município de Cacongo, no âmbito do programa de fomento avícola e agro-pecuário, morreram por falta de acompanhamento e de ração.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Pintos entregues aos ex-militares no Cacongo estão a morrer

Foto: Angop

Em  Maio deste ano, na aldeia de Santu Munu, na comuna de Dinge-Cacongo, foi lançado o programa de criação, reprodução e consumo de aves, sendo os beneficiários os ex-militares.

Catorze ex-militares, ao nível da comuna de Dinge, beneficiaram de 40 pintos depois de erguerem os galinheiros para a concretização do programa em beneficio das comunidades locais.

Passados cerca de 4 meses, os beneficiários lamentam devido aos constrangimentos com as mortes constantes das aves, alegando falta de acompanhamento dos técnicos veterinários da secretaria provincial da agricultura e as falhas no processo de distribuição da ração.

Em declarações à Angop, o coordenador da aldeia de Santu Muno, José Chibimda, considera a situação preocupante, pois reduz o impacto das expectativas pelo qual foi concebido o programa, no âmbito do fomento da avicultura e agropecuária nas comunidades e no combate à fome e à pobreza.

O ancião aponta que caso houvesse um acompanhamento da parte dos técnicos da agricultura e da ração, nesta altura os pintos estariam na fase de produção de ovos e galinhas para a venda e distribuição.

Contactado pela Angop, o secretário provincial da agricultura em Cabinda, Andre Fuca, disse que a situação está a ser monitorizada, para se corrigir os erros que estão na base da morte das aves.

Segundo André Fuca, cenário identico está a ser registado também no município de Buco-Zau.

Por seu turno, o secretário da municipal da administração de Cacongo para desenvolvimento económico, Edgar Chocolate, reconheceu ser responsabilidade da administração a atribuição da ração, apontando atrasos no fornecimento.

A provincia de Cabinda, que beneficiou de mais de 30 mil pintos no âmbito do programa de apoio aos ex-militares, dispõe de duas novas chocadeiras com  capacidade para produzir 112 mil pintos de raça “caipira”, num período aproximado de 21 dias.

Instalada no Centro de Formação Profissional Cidadela Jovem de Sucesso, na comuna do Dinge, município de Cacongo, a 60 quilómetros a norte de Cabinda, a produção de pintos através destas chocadeiras será, numa primeira fase, distribuída aos antigos combatentes e famílias do meio rural, para potenciar a sua fonte de renda.

Dependentemente do evoluir no processo de criação, os beneficiários poderão receber de 40 a 100 pintos.

Para o sucesso do programa, o governo da província orientou os técnicos, em especial os ligados a medicina veterinária, para garantir a saúde das aves.

Assuntos Província » Cabinda  

Leia também
  • 08/09/2020 19:12:40

    Empresas agricolas de preparação de terras recebem tractores

    Cabinda - Dez empresas vocacionadas à preparação de terras para a atividade agrícola em Cabinda, das 30 existentes, receberam esta segunda-feira da secretaria provincial da agricultura e pescas, dez tractores e seus respectivos equipamentos

  • 07/09/2020 08:48:14

    Falta de licença cria constrangimentos aos madeireiros de Cabinda

    Cabinda - A não atribuição de licenças ou ainda títulos de concessão para a exploração de recursos florestais em Cabinda, desde 2017, está a criar constrangimentos na actividade dos madeiros, situação que gerar escassez da madeira e a induzir o aumento dos preços.

  • 13/07/2020 13:27:54

    IDF veta exploração de madeira a cinco empresas

    Cabinda - O Instituto de Desenvolvimento Florestal em Cabinda proibiu cinco empresas locais de explorarem madeira, durante época florestal 2019/2020, por não reunirem os requisitos necessários do regulamento florestal.